Vida cristã e comunidade – Identidade e completude: Sexualidade e amor no Santo Espírito.

“Não desperteis, não acordeis o amor até que assim, se faça, (Ct – 2,7).”    

A intrínseca Inter relação Divina e entre humanos, encontra-se centradas teologicamente com suas vidas, ligados e dados as raízes dos conhecimentos a Divisíssima Criação – Criatura homem e mulher “Cistela” unidos pelo sono em princípios e fundamentos – Homens e mulheres, não o encontro dos laços afetivos da sexualidade ser completo: Em planos do amor – Ágape, filos e Eros, segundo história da civilização Grega primórdios A.c – AT. No Espírito santo, o mistério na descoberta do amor nas três sintonias dimensionadas Divinas, faz -se, sem círculos dos egos e indivíduos, mais das graças e da relação de luz. A assim unidos na graça da graça, início do amor, no espírito. As emoções, e paixões, não são ilhadas, mais em harmonia com valores e virtudes em seus dons. O composto, dar-se pela harmonia sincronizada entre irmãos.    

A sincronia cultural e histórica

A sincronia do amor – Precisamente na dimensão da sintonia em Ágape, a cultura herdado grega, a descoberta de que Deus é identidade em Ambos. E iluminados, clareia vidas – Acendendo a luz do amor. O Senhor é a vida. Filos dimensiona, essa filiação de filhos (a) no Pai, idênticos e fraternos enquanto humanos na pureza de castos, irmanados e sem eixos de contradições, ou percepções de desconfianças, confirmações de fé comum. Afirmação com seus entes de vida e fecundos provindos de C o – criaturas pais terrenos – Pai e mãe. Essa raiz de completude filiais na divindade enquanto filhos (as). No amor ágape identidades de Deus, e filiais de filhos(a), do Pai, e nesta dimensão, no Amor fecundo, Eros e sexualidade de proximidade se funde -se no amor completude do integro dos seres de humanos, bem fecundos, que anelos em união nos eixos da sexualidade, engaços e conjunto. A fusão intrínseca da fertilidade de H – M, nas dimensões do corpo reprodutor feminino e masculino distintos, acontecem naturalmente e biologicamente a preparação do corpo, para um receber o outro(a), que se encontram férteis, e afetividade próximos,  pertença de Deus,  e anelos dos encantos e carinhos, abertos na graça e confiança de ambos, e compreensão a “completude infinita” . Um momento celebrado e Sagrado de carne da minha carne, sangue do meu sangue. Batizados na escolha e escolhido, a fecundidade preparados, para plenitude do corpo  BIO, a concepção de amor, dar – se a fecundação, ou ao poder natural Divino do corpo feminino e preparado fecundo e esperma (gerindo) ao óvulo  de expulsar aos nãos  fecundos e estão maduro; percorridos, o círculo presente preparado e capaz, para ao seio central, do corpo feminino ao  concepção princípio da vida.[Testemunho, de mulheres contrita na castidade, que conhece, seu aparelho feminino reprodutor e sua reais instancias de ovulação mensal e etapas de transformações que acontecem ao longo da vida, bem intima, sabe muito bem quando contrai se  concepção, se preparada estiver internamente e espiritualmente] e tal qual o aparelho reprodutor masculino, também conhece-se profundamente, e que ambos, no planejamento familiar esses identificadores e sinais, bem situam a projeção Divina e sexualidade de casais, que não somente carnais naturalmente, essa mutualidade, soma-se e, exauridos seus egos de indivíduos, mais de casal. Unidos na carne, para o luzir e unir em central teológica de si, num todo.

Cânticos e a sapiência em exegeses

A concepção entronizada Cristianismo – PF, o livro Sapienciais, em seus encantos de “Cânticos dos Cânticos”, enaltecem aos noivos, desde primórdios em linguagem de analogias para apresentar uma leitura aos casais: “Não vos preocupeis e nem despertais o amor, enquanto não chegueis o momento”. O fecundo, de servir e amar ao próximo, que significa, negar e abraçar as relações do amor – Ágape. Filos e Eros. Tormos – nos integrados, na condução natureza do amar. Mais distintos, as nossas de escolha e vocação e estado de vida.

Exegetas , acentuam estudos, em que, O cântico , celebram a intimidade do desejo humano, e íntimos com Deus, em conjunto, celebrados os “apelos e súplicas”, que exortam e enaltecem á mutualidade  intrínseca de completude humano, se mulher + homem, ao diferente, mistério em Deus traduzido e superados, no encontro apelo fiel segue aos ensinos e instrução ao matrimônio(A paridade de anelos enquanto natureza viva de Ser), Criaturas divinas – Escolhida e escolhido, e celebrados entre ambos – Os ritos centrados em Deus, com celebrante ao ritos Sagrados, para Consagrados e abençoados por Deus, sob benção, em testemunhos de familiares de ambos e amigos, sob a tutela de padrinhos,  sinalizando, testemunho, de acompanhar e auxiliar neste percurso de cristãos na caminhada , por exemplo.   

 Gênese e a criação – AT

Os laços legitimam a necessidade entusiastas, e valores do amor de Cristãos humanos. Adentrando refletir, que as buscam e sentidos profanos, este íntimo de anelados, não é somente ante amor divinal, uma vez que Deus – Selou abençoou, as  escolhas do par e escolhidos –  Cístelas no  encontro místico em Cristos, matrimônio enlaces, e preconcebidas aparentemente menos, como procriados do que como associação afetuosa e estável do homem e da mulher, (Gn 2,18).

JavéNatureza do homem, relação de patriarcado

Em plano adentrado delimitando existência comunitária e social, perante concepção, a exegese com fonte exortado do Javismo e sociedade da Teologia de Deus, em Jeová – Javé – Javé, na relação do humano com Deus – Na presença do homem patriarcado, íntimo relacional. O povo Judeus, Deus e natureza do homem, aos Cananeus essa cultura acentuam – se Canãa: Cidades, lugarejos, aldeias e centros, os entornos, afirmam-se a ligação que flui em ao leito do Mar Mediterrâneo que influência a relação Criador e criatura. Impulsiona comunitariamente e seus agentes sociais, e no contexto de cultura dos Cananeus – Iavé, este social comunitário  e comportamento, a vida e sexualidade, projetava  e acentuam-se em sociedade, a imagem das relações, em   divindades da fecundidade, situando uma normalidade com aptidão e com dimensão em parâmetros  de considerações com a fé, crenças e atitudes, virtudes, aos reais contextos sadio, ou seja naturais . Neste intrínseco conceito e humanidade e humanos, e contínua no processo civilizatório a temática em outros textos e documentos AT, (Gn, Davi, Liv). De Tobias em relação adiante com infinitudes na linguagem e exortantes em Cântico.

Essas intepretações, afirmadas de alguns estudos teológicos de exegese, de escritos das espécies de gênese documentais, AT, seus contextos afluem para assinalar temática: Puritanismo (Exageros ou e ignorância a pureza, e não castidade e vida indivíduo acentuados), e no sentidos com concessões em direções do erotismo ( provindos da provocação humana da relação com certa insistência de erotismo assinalada ao másculo e fêmea, nas relações de natureza e eixos de exagerados, não da descoberta do outro). Demarcam entendemos, os exagerados eróticos, que permeiam acentuantes comportamentos egoístas, preestabelecidas em cios entre animais irracionais, mais natural, que natureza enquanto humanos. Estes preâmbulos dados: Se tentados, seduzidos e miragem do corpo objetiva e das inclinações abertas, sem sintonia Divina, mais carnal.  No espírito luzeiros no amor, e não intentos de “objeto de desejo”, estes contentos e atentos sinais, da antiguidade cultural, presidem cultura da personalidade humana. Que não devemos permear acentos da preocupação. Afirma-se a natureza H e M, acendem essas exegeses críticos conceituais em que livros Sapienciais: Conhecimentos de conjunto cultural (Documentos), classificados, por delimites sapientíssimos – Sabio, sapiente, numa erudição, raros e detalhes conservador e valores virtuados, nos dons a diferença, do clássico e básico, [Dic…,port, 2019]. A cultura de cananeia, erudita e intimista nas coisas divinais, entronizados em vida. AT compõem em 08 (Oito) documentos, atenuantes em: Jó; Provérbios; Eclesiastes e sabedoria; e avanços religiosos e culturais e na espiritualidade, posteriores acrescidos, não iguais situacionais cronológicos aos tempos, mais adensados e ligantes continuam relação com a própria cultura: Salmistas; Cânticos e cânticos poéticos etc. Mais que afirmados, agregam na fé e conhecimento na humanidade e comunidades. Em tempos A.c., a leitura do comportamento antropológico AT, aos escritos Tobias e Baruc, a literatura e seus contextos literários permanecem extraídas na sabedoria. Em acima tempos, os povos Sumérios, o hábito da escrita e encontros individuais textuais de registros, com analogias, pedagogicamente nos Evangelhos anunciados ao público, em caminhos da verdade e evangelização, anúncio com raízes: Provérbios; fábulas; e poemas, situam compreensão dados as demoras e suplicantes a superação aos impedimentos e barreiras a felicidade – Harmonia do bem, distante do mal, com exortação, de      momentos difíceis  e grande desânimo  e     tristeza do homem.  A região da Mesopotâmica, adentrou a Cultura Cananeia, onde Jesus vivenciou, e fez milagres, e afirmou ser o   amor: Plano de Salvação, como ao Caminho, Verdade e vida.

Bíblia Judaica e PentateucosTorá 

Em contextos teológicos, a Bíblia Judaica, reúne em conjunto Pentateuco, é e chamado a Torá, são prescritos que regulavam agregação e união a: A vida moral, social e religioso do comportamento cultural antropológico inseridos em comunidade. Concebe-se intepretação, devida a uma relação intima com Deus, e fortemente contraditório e contradizendo essas contextualização, aos sábios , o exercício de Deus centralizado na vida dos humanos, compreensão, na claridade de fatos e acontecimentos de relações humanas e divinas com calma e paciência, o invisível ,    torna-se visível, que para outros, não acendem, devidos instâncias, em que se encontram num plano: A vida moral,  social e religioso de povos Judeus, provindos da vida Judaíca, afirmados de exegetas, em origens culturais e dos conhecimento de uma literatura Pentateucos, tornando -se legislação, sob desígnios  de Lei, que escritos de Judeus, então reguladas no completo – Um todo: Preceitos éticos e morais; Sociais no religare á Deus.

E a concepção  exegética, no exercício de investigação e estudos em PF e científicos, no olhar da fé, centrado  Deus – Teo, esses periféricos referenciais a informacionais no desenho histórico, que acenderam á sapiência da sabedoria, que demandam  escritos, e afluências de sábios que procedem as mesmas: Sacerdotes, os profetas, e estes, (as), outras faces da pirâmide e sociedades, de acessos ao conhecimento em Deus, não acendem compreensão dadas ao ser humano, em que época e conferencias, situam PF do Cristianismo católico Apostólicos Romano. 

EE, o exercício disposto e abertos a orientações e revelações intimista com Jesus, bases PF iniciais de S.to Inácio e comunidade, e seus estados de vida, a prática de escritos, uma fonte importante e essencial de formação precisa primordial – O caderninho de anotações  e seus acessórios assistentes, sem fim dados a continuidade de caminho relacional com o Senhor, sem apostos por herança cultural, com os cananeus e ensinos, que com certeza ajudam a compreensão de acentuados em Deus, e as contradições no eterno,  e não nas confusões, para invalidaz, ou  neutralizar espaços divinais.

 Vida moral, social e religioso

A inserção da M e do H, na sociedade, numa espiritualidade aos contextos centralizados em Deus, a permanência em doutrinas e ensinos,     encontra-se o Matrimônio e enlaces de amor mútuo, que abençoados , sejam abençoados, vivência a contritos em bases para Cristãos, orientados na fé e contornos sociais para prontidão acendem neste, mesmo caminho, e assim permanecer, não é afastar ou negar, as mudanças de religiões e vida familiar, é conjunto de construção em Deus. PF Cristão, construir em consagrados em Deus: Caminho que tornemos – Nos Sagrados, dedicados a Deus, no amor ofertados dia á dia, por escolha, converter sempre para manter, nesta escolha mutualmente construtores legitimamente em Deus (Ambos) e testemunhos entre si.  Em sentidos: Erguer; Edificar; Fecundar e Produzir (Mútuos), em alianças em ritos do matrimônio – Um coloca o sinal e luzeiro, ponto de única e primeira – O amor, é rito de ambos e não de sociedade, onde a mesma.

Testemunhar, orando e confirmado a bençãoA  graça do momento.

As contradições de consagrados em matrimônio, para parceiros, uniões instantâneas, certos ritos não existem, e nem apresentam ou tornam presentes, mais pontuais contratos com celebrações e cerimoniais festivas, e não consagrados, que faz parte de casal – Um e outra consagram -se a Deus, o momento inicia e vida. Achega – se em formação e conhecimento em Deus, e vida de caminhada, não é numa será em contextos apressados de calores apaixonados decisivos, enganamos, na performaces de que não podemos ficamos sozinhos ou destorcemos o sentido de despertar o amor, na caminhada de preparação de construção de vida anelada em Deus. Um espaço de 01(um) mês, uma semana, uma vez se conhecem ou estaremos ou estamos preparados. Enganamos – nos, pois o processo é construindo passo a passo, num sentido de consagrados em Deus, e no Espírito de descoberta na visibilidade afetiva da sexualidade e em Eros, no Todo – Sexualidade de si [Conjunto].

As contradições de profanos, pagãs de seleções e apressados casamentos, pautam com extremos e estatísticas de: Adultérios; Crimes com mulher e não cientes cristãos de matrimônios e apelos inconscientes de extremos inconfessos desafetos de casamentos, aparententemente e somente unitivos por bases direcionados por alternativas inseridas aos apelos de sobrevivência social e financeiras,    que convergem consonâncias sociais de pares ou as relações abertas,  ou e parceiros aparente ideologias de vida ou corrente, emergentes emoções e comportamentos aos impasses e impedimentos reais de felicidades, e posteriores enfrentamentos ante realidades e aspectos situam apresentados, totalmente personalidades despreparadas e incapazes, e aos fortes acalorados  desilusões construídas –  o desequilíbrios a força X inferiores vidas e corpos femininos para  desalentos percepções reais posteriores contínuas e contraditórias,  potenciais – explodem agressões e “Feminidios”, índices alarmantes de crimes e desamores. Entre tantos pontos de consensos á estudos em comportamentos da personalidade, investigadas e acompanhadas, em aspectos como: Uniões e casamentos; A somatização de problemas em família não conciliáveis entre ambos; Ciúmes e infidelidades; Contra – censos financeiros planejados, e não; E etc.    Para   novas relações de família em instâncias do “Heteros e Homos”, pontos  contraditórios ao Evangelho, mais compreensão dos laços humanos, que iniciam faces a laços de afetividade, e respeito: Aproximam e partilham famílias e vidas, que se contradiz com sexualidade entre homem e mulher pelo dom da vida, e fecundidade,   sentidos da união para matrimônio, e natureza de fecundos, no amor.  A união afetiva, não  condiz percorrer e realizar sonhos que se  apresentam biologicamente e “possíveis caminhos” socialmente civis de partilhas de vidas e que contém ensejos por aneladas concepções de família, devidos aos apelos da natureza   e criativa fecunda entre si, não germinada e impossíveis, e chamariz aos apelos sociais da sociedade em mudanças de desagregação de família urgentes, que mesmos a vida afetivamente unidos, o conjunto e personalidades formativas,  de “pais ou mães” emergem cuidados e vocação e nem todos(as), possuem ou  têm a contrição opção e escolhas, centrada aos incisos sinais do Livre arbítrio,    em  que Deus no Evangelho  de amor, as contradições não devem existir,  e que Jesus de testemunho vivo, capacitam – Os (as), aos  silêncios e íntimo  ao conhecimento de  Deus, e direções a construção “Reino de céus” – Plano de salvação as contrapesos mundanos, e sim divinos.  Precisamos resgatar valores e virtudes, nos “formar” em Deus espiritualmente e psicologicamente que: Sexualidade; Afetividade e Genitalismo, existem e situam em conjunto numa personalidade, e cabe-nos discernir dentro si, sua reais e profundas percepções a contentos, sem desequilíbrios e carências, pois causam muitos sofrimentos e desalentos aos comportamentos exigidos de retribuições de amor,  bem definidos em si, e a falta , ausência em comportamentos humanos, Contemporâneos   em tempos   atuais:  Em adolescentes, jovens, e caminhos maturidades prontas e humanas.

A natureza contrição matrimonial, aproxima – nos para caminhada, não é e nem será em contextos apressados de calores apaixonados e empolgantes e distorcidos no sentido do despertar do amor, mais preparação formativa espiritual e humana do Ser, para um anelo de vidas que de ambos, todos somos chamados, preparados e nem abertos  laços eternos, que assim consagrados os fazem. Os compromissos eternos, condiz com palavras de força em ritos sagrados proferidas um ao outro [“Eu… te recebo…amar e respeitar…na alegria…tristeza…até que a morte os separe eternamente…”], em celebração rituais de ambos, e celebrante consagrado para conduzir ambos, neste “- “Selo de Cristãos” – Consagrados e abençoados.  

Quando a graça do matrimônio, alimentada nos alicerces da comunhão de ambos e Jesus aos apelos e necessários em abastecer: A alma e espírito para não sobrecarregar e corpo, passos de intimidade de família e casais com Deus, uma rotina indispensável de consagrados no matrimonio e relações em discernimentos encaminhados. Sem este sustento ao alcance de vida consagrados ao Senhor dia a dia, ano…ano, …impossível crescimento espiritual de ambos em um, e a individualidade de ambos (Mulher e homem), em Deus. A cartas de desquites e divórcios representam em litígios violentos; Genocídios; Suicídios; maquiavélicos crimes bárbaros; e exauridos e alongados processos de divisão de bens e família a fios, por vezes sentenças e penais criminais traumáticas finais, o quanto nada restou de amor e fecundos proles, mesmo com, de Matrimônio e quebra de alianças.

Se Deus abençoa, não separa. “O que Deus uniu, o homem não separe…” Os filhos, sangue do meu sangue, carne de minha carne, é visível no mistério da vida de ambos. Jamais se apagam com separações e cartas condescendes, pois é sagrado, somente a morte. As regulações civis, e leis, situam pela separação pautando impedimentos de sofrimentos sequenciais sem aproximá-Los e outros ensejos aos “adultérios obscuros” e ligações civis ilegítimos sociais e relação a contentos. Mais conscientes nubles antecedentes a preparação, ritos sacramentais infalíveis – Morremos com o sinal de consagração divina, e mistério ressurreição.  

Quando se apresenta mídias de informação e comunicação, por dados estatísticos elevadas de veredas a cartas de separações, afirmações de violências domésticas de litígios amargos e sofríveis entre ambos. Questões e problematização afirmam-se Deus, em Jesus Vivo e vida de casais consagrados, desenham quadros: “Deus de discernimentos… não participou da conversa e não houve diálogos familiares e casais, muito menos intimidade divina. Se retornar as origens e avivamento profundos de formação, sem esquecer os registros primeiros – Fotos, vídeos e visita aos padrinhos”. Estes luzeiros e testemunhos vivos e filhos(as), nada significam aos calores do ódio e revoltas proferidas de agressões reinantes, o sal e temperos do amor, em meios entre tantas medidas, em uma analogia, ao tempo para matrimônio nada restou”.

O que é de Deus…, Ohomem”, não separe.

Simplesmente, quem desperta o amor, é Deus, na vida em Deus, apresentado por Jesus Salvador e dom do amor gratuito e livre, mais abertos para a graça de vidas. Fiquemos atentos que: Insinuações; tentações; e seduções, são enganos para discernimentos de caminho, verdade e vida de matrimônios consagrados. Pois estes contornos, eleva-se índices buscas a casamentos instantâneos e parceiros(a), que cessam esperas de sabedoria, e não resistíveis aos apelos aflorados e fluídos de seduções á delícias dos desconhecidos do ser integralidade de sexualidade e natureza, despertada e a pressões egoístas, de um. Apressa – se para e urgentes aos desejos, em que estamos inseridos, se não afirmados cristãos, como PF teológicos e social civil em “visão sabia” a tempos para tudo.   

O conselho eclesiástico canônico e suas regiões, concebem-se direitos e leis intrínsecas civis, aos religiosos, mediante presença de aplicação de situações de nulidades faces a questões   visíveis e invisíveis sem condescendência de futuro, e paridade de amor, para o crescimento de Cristãos casais de consagrados matrimônios realizados e reconhecimentos, mais motivados de processos nulidades – TCEC. Que Objetivos,  não pautam, se percebe anular, mais afirmar que não houve conscientes ao matrimônio e desenhos com leitura da presença em ritos conscientes e embudantes de graça de ambos, mesmos em ritos sagrados, não situados pela consagração de ambos e entre si, mais contradições a priores, a caminho, e ou pôs. Posto inexistente, para conceber “aliança com Deus”, e trocas simbólicas e ícones dela sinalizadas em objeto abençoados e trocados sinal de amor. De fronte e acessíveis considerações, testemunhos e documentos, o tribunal eclesial pôs encaminhamentos de ascendentes conselhos, postergar estudos, e carta de nulidade, cada caso, é um caso e distintos, e não iguais, embora parâmetros discernidos evidencieis, afirmem claramente citados. Posteriores reconhecimentos, ambos, podem e têm autorização, em erguer e iniciarem caminhada com matrimônio, e com formação e espiritualidade, conscientes de que matrimônio: a) Escolha “A”; b) E escolhido “O”, em caminhada e passos imprescindíveis.

A caminhada e passos de casais

Faz essenciais formação e espiritualidade face de construção de vidas e famílias, s que cientes nem todos estão preparados sem esses reais passos galgantes e paulatinos, a visão filosófica da atualidade para apenas olhar  apressado e por vezes da ignorância ao Evangelho de :  Prudência e sabedoria, a conotação e taxada verbalização de pensamento de velho “caretas”   postergada ao namoro “ficar” e permitir -se”, ), para o inicial : “Se não dê certo separa”…Mundo pagã e profano, que tudo por sequenciais desnecessários ao pensamento de falácias,   que as evidenciais afirmam anteriores contextualização e conjuntura de dados da instituição de família em matrimônios e outras situações páreas de mutualidades, consequências a fatores sociais e descontruídas se apresentam e situam problemáticas . A relativização valor á vidas, não subsidiam comportamentos posteriores morais e éticos cristãos e sociais civis   para bases formativas á existirem filhos(a), ou não. A formação direciona diferentes, pois já existem ligação como sinais de contritos encaminhados de uniões; exige-se sábios conselhos e acompanhamentos, que não possíveis aproximações de erros e afetivos de aproximação, por     cautelas, se aconselham sem relações de casal (União), mais aguardar e esperar nutrir o sacramento.

A formação e espiritualidade união

Amadurecer, conceber vocação e estado de vida existe, uma certa possível empolgação para concepção de 2ª união, em sentido de maturidade entre ambos, dados divórcios. Uma realidade comportamental e excelência improváveis, que nega -se tais quais a primeira 1ª.  A verdade de famílias existentes e presentes: Esposas dependentes financeiramente e ou pensões; Filhos(as) dependentes; Pais dependentes; Animais; Bens conciliatórios e outros entornos presentes.  Que os calores da nova paixão e apaixonados, pouco ou quase convivências aos entraves vivos humanos despreparados para tais evidências existenciais, emocionais e comportamentais. Estes consistentes aspectos desencardiam – se ao prolongo e caminhada, e mais ainda e presença de 2ª união e intrínsecos, sérios  contextos de ciúmes, invejas, apelos surpresos de imaturidades, manipulações e sujeições de desejos infindáveis correm em famílias e laços, para negar visibilidade familiares de 2ª presente, por vezes negados aos próximos, pelo desconexo formado de:  “Intrusa(o) e aproveitadora(o)”. E não percepções de esponsal contraídas e escolhas em caminhada de Cristãos batizados.  Justamente sem formação de ambos e família, que se torna fundamental e princípios necessários. Desentendimentos desenvolvem, trilham ambos, grandes embates e indesejáveis maquinações de descrédito ao amor.  É dado ao primeiro, infelizmente, que iniciam contextos que atrapalham o casal, joios se erguem -se, não desejados e queridos. Sérios problemas de totais despreparos de formação humana e espirituais. Infelizmente todos, não estão preparados para acolher “O ou A”, clareza que nem todos ou quase nenhum esteja, conceda permissão e aproximação, sem afirma-se que o respeito humano, deve-se a quaisquer ser humano e independe se. E aí, cabe realmente a vida de cristãos acender a chama do amor em família de ambos, que podem neutralizar e formar os egoísmos irmãos (as).

Jovens, estão preparados, solteiros(as) ou casais? Sem maturidades e ausências de formação na temática e realidade, com certeza, que não, a imagem, pautem, mais e vivenciem, aos sábios postulantes evidenciarem pelas trilhas em forma-se, situar formação a todos – Pastorais de casais de 2ª união presidam por planejamentos formativos primordiais. “Não desperteis …antes que o queira”. A paz, é harmonia. As contradições e mundo contemporâneo sem Deus, não é luz e sim, abertos[ Livre arbítrio ], e as contradições consequênciam  á serias inconsequências sociais, sem orientações morais éticos e Divinos que cabem, aos “sábios contemporâneos” – Aos que tem acessos a informação e desenvolvimento de estudos de questões sociais, depositadas e a serviço da sociedade e comunidade, em seus apostolados profissionais. E nós Cristãos sabemos, que se acaba quando tentamos realmente apressar, onde o Senhor o coloca o “dedo.” Faces e eixos entre casamentos e matrimônios, pela concepção de posse. Ressaltamos a exortação: “Não existe realmente posse em casais, mais aos dons formativos, paulatinos e contínuos de submissão, em sentidos amplos galgadamente, suavemente, onde nascem mutualmente passos e conversão na construção de casal paralelos …não se impõe … e ama-se na medida e sal com temperos e sabores de casais em sentidos Reino dos céus – Plano de Salvação. Maria e Jose figuram em anúncio á trinitária presente encarnação de Deus, Jesus.

Valores e virtudesTalentos e estado de vida

A cultura e família do casamento, presente contrariam ao papel da formação de família porque faz necessários para antecipar a formação da personalidade humana. Por si, e bens destes valores e virtudes entre M+H, principalmente católicos e em juventude urgem pressas de formação e espiritualidade, faces da desagregação e fragmentação de família, bases. Uma forte presença de idolatria humana, em lugar de Deus, um perigo, e dadas desilusões á pessoas, falíveis de erros. Portanto faz -se entender que os frutos do espírito fazem leitura simples com  conceitos e virtudes de dons : O amor é gratuito, é dom, não é apossado nem exigido, é consagrado, espontaneamente ao outro(a), e livre, nas bases centrais: Fé, esperança e caridade.   Em EE a instrução e ensino: “Tudo é permitido”! mas nem tudo convém “. Tudo é permitido, mas nem tudo edifica… (Co 10,23).

Neste entronizante temático, e contextos que conscientes da problemática que sobrevêm a desagregação de famílias e banalização da sexualidade mútua, e matrimônio, que apenas iniciamos abordagem, que merece mais conhecimentos para aprendizagem aos aspectos centrais, que mesmo enquanto mulher de Vida Cristã – Comunidade, e formadora. A formação a  jovens, para vocação e estado de vida no matrimônio, eclodem apelos de emergentes pedidos de Helps, para orientações, que requer mais organização a nível de Igreja  e clero planejar, e discernir vias de exortação aos sacramentos e pastorais de forma a ser força maior e motriz, pois o papa Francisco em 2018,  Sínodo das famílias – Irlanda do Norte – País de Gales, abordou questões desnorteadoras de famílias e acolheu – os casais perseverantes jovens e maduros. Uma das exortações: ‘’ Casais, cristãos, não podem depois de calores de desentendimentos, ficar sem uma aproximação de desculpas e pedidos de perdão, antes de dormir. Se assim acontecem, forte condutor futuro de separação, perdoe – se e desculpes.”      Apenas vivenciamos experiências de pessoas, e não pessoais, que acompanhamentos e aconselhamos sem experiências, assistimos famílias na polêmica de desalentos, mulheres e homens. Aqui chamamos atenção de pastorais ao sacramento de matrimônio, e casais de 2ª união, que esta questão Cristã, urge discernimentos e    planejamentos a nível:  Eclesial, clerical, Vicariatos e paróquias e suas Dioceses. Que a política em instituição de família e estudos acompanhamentos teológicos, sobretudo orações pedem licenças, principalmente Campanhas fraternas e Conselho de paz e justiça, CNBB, deem mais ênfases: a) Formação para: Noivos e matrimônio; b) Pastorais de 2ª União e famílias de ambos; c) Novas relações de famílias frente aos civis DH.  Tal qual, campanha e formações sobre o dízimo na Igreja católica, hoje realidade e sistemático marketing e comunicação, enfatizaram pastoral imprescindíveis, assim nossos apelos formais. 

“Orações e súplicas. Orai e vigiai perseverante. Ciente que a graça com Nossa Senhora, em Jesus, o amor perene, aproxima-se no senhorio de Jesus.”

 [Ensaio e colóquio: Vida Cristã e comunidade – Identidade e completude: Sexualidade e amor do Espírito Santos. Jusenildes dos Santos. University Europeia Atlantic – Ibero. Tecnologia da ciência e informação. Teologia e política – FCP. Docência    CTGC –fusca práticas, 22.07.2019.]  

PROJETO PROGRAMÁVEL DE GOVERNO

“E questionar – se? Não Governo utópico e ideológico”?

Governo é para uma gestão dos aspectos e eixos que anelam para um conjunto:  economia, política e social etc. Os apelos Sócio – econômico e político da sociedade brasileira. Em interrogação? Tempo Contemporâneo Séc. XXI – 2019?

Era da Inteligência artificial e do amor sim, somos homens e mulheres. Não somos máquinas e nem robôs ….

Não é ideológico? Vamos   problematizar?

Vai responder para um déficit da sociedade em todas   as áreas e aspectos da sociedade, em todas as mesmas insere todos, ou quase todos, não é ideológico?

Se não for utópico não é ideológico?

Se for ideológico não é utópico?

Querer sair na rua… Andar na rua… Sem perdas por ausências que pensadas e em construção para adentrar por eixos de anelos a vida, por serem intrínsecos aos apelos sociais e políticos econômicos para uma sociedade em aspectos por déficit?  Se os constructos outros ordenados e organizados política e social? Solucionar apelos urgentes em atitudes e ações de desequilíbrios socio – econômicos etc. Isso é ideológico não? É utópico? Os apelos de trabalho oficial e laboral em quaisquer meios de produção, é utópico? É ideológico?

Se os meios de trabalho ou ocupação regular oficial de sustentáculos e remuneração ou troca política pelo formato trabalho – Salário, para insurgir as necessidades de sobrevivência: Alimentar -se; saúde; educação; informação e comunicação; lazer; espiritualidade e comunidade; projetos familiares; investimentos de realização familiares de bem star sustentáveis – Substanciais comunitários. Se for programático e não utópico é ideal (Para uma parte piramidal? uma maioria ou quase todos das camadas do extrato da sociedade construída presente). Para todos, pode esquecer de envolver todos, numa sociedade que contribui com impostos, paga suas despesas e contribui para o crescimento do país. Isso é ideológico? Então vamos fechar os olhos para uma pirâmide X ou Y. E aí…Esbarramos nas violações…Temos constituição vigente e toda ação em suas bases firmes em seus poderes constituídos. E aí não é ideológico?

Uma Nação é parte de uma organização…em anelos de seres de vidas naturalmente…Políticos…Sócio -Econômicos faz parte?

De grupos instituídos e organizacionais reconhecidos civis oficiais, que respondam aos   apelos programáveis da sociedade, não é ideológico?…Está programável tempo X ou Y linhas Gestivas, não é ideológico? É para responder aos interesses Sócio – Econômicos e Políticos…Não é ideológico?

Ideológico quando? Se envolvem para todos, mesmo programável? Se todos colaboram e são todos cidadãos e contribuintes com seus constructos post financeiros de impostos, a serem suplementados em âmbitos de projetos e outros.  Se sim ou não de A em Z ao tempo? Que trabalham? Pela sociedade melhor em transformação. É irreal…Se está em mudanças e em movimento?  Existe um déficit social aberto? E outros aspectos constructos positivos? E aí é ideológico ou utópico?

É utópico? Se sonhador envolver todos que partilham e trabalham e contribuem para a sociedade em constructos e transformações em déficit? É irreal para governo programável?

Ainda não somos máquina, e nem robôs …Somos homens e mulheres…. e os contextos em déficit são porque somos – Amor e humanidade, mesmo e com convívios em anelos com autômatos e Inteligência artificial, e racional sim…  Nossos “calcanhares de Aquiles” – Seres humanos e organizados sócio-políticos, na perspectiva intrínsecas: A cadeia da em ramificações de anelos para uma convergência natural: Ordena; doutrina; Normaliza; Leis e Regular em monitoramentos – Acompanhamentos.

Governo democrático como se caracteriza? E as controvérsias? Governo Anárquico? É naturalmente ordenado? E organizado? Que se lembre que notícia em informação e comunicação de massa de mídia, fez carnal de disseminação ampliou este preâmbulo temático a exemplo: “Grã-Bretanha vai implantar Sistema SUS – Público em suas prerrogativas políticas em saúde médica,  para projeto  em programa terapêutico para tratamento de infanto juvenil de déficit e patologias de doenças – Vícios por celulares e jogos eletrônicos.” 

[Reflexão: Projeto programável de governo: E questiona-se? não governo utópico e ideológico. Jusenildes dos Santos – University Europeia Atlântic – Ibero -Tecnologia da Ciência e Informação Teologia e política – FCP – Docência – CTGC ufsc.01.07.2019

Alegria profética e comunidade – Vida eterna: Jesus e Reino dos céus ” Teologia e pastoral – Exortação ,[At.13,48]

“Sob o olhar de Nossa Senhora na providência da graça em Jesus, [Lc 2, 46-50]”

Em exegese bíblica do Cristianismo, na história A.c e D.c. e fundamentos com os princípios de Jesus Cristo – Filho de Deus. As profecias divinas, N.S. e a escatologia, em presença profética da escolhida Maria e o Pai adotivo José, da genealogia e árvore familiar de Davi. Maria, seria dentre as mulheres, cuja revelação de anúncio receberia do anjo guardador de sua vida, e a mesma prometida desde criança e preparada como toda mulher, caminhada para o casamento, em matrimônio com o também acolhido por Deus. Ambos divinamente, receberam em ser espiral aos dons e virtudes em carisma, para receber e preparar Jesus “ Messias” para missão ser missão.
Para nós Cristãos católicos e leigos(as), preparasse e sermos dotados de capacidades para amar e servir Jesus, num Projeto – plano de Salvação vida eterna. Uma certeza que a consciência de exortantes pouco lembrança e trabalho nosso ser enquanto pecadores, por herança intrinsecas de fragilidades humanas: Inclinações; Seduções e tentações para não sermos amor e serviço na caridade de Imagem e semelhantes em Deus. Fomos selados pelo Espírito Santo para a vida da graça e não de controvérsias, ou seja o contrário de vida plena. Na fé, testemunho Contemporâneo presente de que Jesus Cristo ressuscitado- Senhor é, [“ Eu sou”]
O sim esposal de Maria: “ Faça assim a tua vontade,[Lc 1, 56].” Bem como José encontrou o dom revelado para discernimento, e confirmou se as profecias do mistérios : Gloriosos; dolorosos ; Luminosos. escolhida, pais do Salvador, Deus conosco.
As instâncias de preparação do Senhor- José e Maria, seguiram e foram exatamente- O estado de vida comum. Abriram se em obediência a ser vontade de si e no Senhor. Essa porta já por pertença no servir em caridade plano amor. Não foi por acaso, foram formados e preparados em Deus. Consagrados e em prontidão de mmatrimônio em diante enquantos casal[ E a mulher deixara sua familia e serão uma só carne, [Gn, Criação 1 ], para casamento: Unir e vidas para Aliança sagrada por ritos de consciência na espiritualidade divina no Espírito da verdade, ritos e testemunhos de um para outro. “O casal” é rito divino individual e casal perante Deus, participam Famílias e outros para confirmarem apadrinhando e acolhendo ao estado de vida de ambos espiral casto.
O caminho profetizado, e anunciado por: Isaías ; Jeremias; e outros, [EE, pf 135], o Evangelho e liturgia, Jesus entre os doutores( Lc.2, 41), nos modela as meditações e contemplações: Preâmbulos para consideramos estados, que seriam esses minuciosos passos de comunidade, aos Cristãos (as). Para considerar a entrar no plano salvifico profético de Reino de Deus – Vida eterna:
• Amar é servir no livre arbítrio espontaneidade da gratuidade do amor[ Abertura dos mandamentos Jesus], ao obedecer aos pais depois na dedicação sagrada de consagrados, (Presente no templo). Jesus, dizia, e sabia qual na abertura de coragem esposal de preparados confirmavam predispodicao inclinados para: a felicidade de dialogar; convenrsar; ouvir pessoas consagradas, e oyvir, perguntar intimamente, estava por estima intima de Deus. Que esquecer todos e caminho – Definida vocação sacerdotal de Jesus.) “ Não porque devo estar na casa de meu Pai”;
• Perfeição evangélica ( Jesus no templo permaneceu, deixando seus pais naturalmente, para dedicar se ao puro serviço ao Pai eterno – Vida e eternidade( Mortificação de si, e nascer em Deus). A noção ao tempo à temporal, predisposição de país em perceber 03 dias, a depois a ausência de Jesus. Sentido toda de vocação livre agraciado, aberto;
• Olhar de Jesus e em conservar se em que vida” Estado, em vida divinal da majestade do estado ( respostas) ao servir, em si( sob pessoal);
• A intensão de Cristo Senhor e as contradições humanas;
• Como dispor- nos e o aprontar- se (Prontidão do ser), para a chegar se a perfeição em qualquer estado ou vida que Deus, nosso Senhor apresente – nos : Moções; motivações; e espaços de discernimentos espirituais), visível por definição EE.
Para vivenciar práticas e espiritualidade EE, os rafos- Estados
1. Vida comum( Obediência de si aos pais);
2. Vida sagrada com comunidade: Deus, irmãos e missão apostolado ( Os”templos “ e sentidos implícitos de cada um, permanecer no sim).
Aos filhos (as) sois criaturas do Senhor!
1. Descobrir a vontade particular intimista de Deus a “nosso” respeito em: a) Revelações nas aberturas ( Oração; meditações; moções, e etc. De como podemos e a Ele nos estilo de vida, que nos quer em serviço, mediante a vocação (Dons, carismas, e virtudes que assim fomos dotados pessoal e divinamente, e também aperfeiçoados); b)Os meios a serem amados – abraçados para servir( Amar e servir); c) A continua vida de diálogo e partilha em intimidade com o Senhor – A oração pessoal. Direção, conhecer e no interior do senhorio, e de si( Autoconhecimento), o abraço proposto no livre arbítrio (Nós), eternizar em Deus; d) A consciência de vida verdadeira, entrada e caminho na vida eterna, segundo Evangelho em Jesus; e) Como essas direções espirituais cotidianas, dispomos- Nos, e evidência- se:

• Exames – estudos em Jesus, senhorioem contornos de conversão (Mudanças e transformações de irmãos (as), nas motivações e sentidos;
• Como sustento, contrição e avanços no conhecimento de Deus( Íntimo habitar de Jesus em nós) buscar e os apelos do Ser – Autoconhecimento do Eu), pessoal enquanto Imagem e semelhança – Vocacional e estado de vida, com anelos discernimentos e ângulos divinos;
• Amar é servir – Segundo ao estado vocacional espontâneo livre e alerta as benção multiplicantes na luz em Deus e graças, e irmandade comunitária, que se faz fraterna.
A mulher, na sua vocação e com feminino e especial, que não podemos negar, no Plano e projeto divino de Salvação, sempre presente, nossa Senhora Maria, espelho refletor em Jesus na formação de mãe, enquanto homem e divino no Pai, sempre olha a sensibilidade atenta ao entorno do Senhor, no sentido providente e intercessor, sempre a frente. O olhar materno peculiar, encontra-se no Evangelho e profecias, em seus sentidos diretivos divinos aos pivô afastados da plenitude e vida de eternidade no Amor. Neste N.S. Maria, sentido materno e vínculo divino humano, de criatura no criador, possibilitou que: O anúncio do Salvador profético pelo sim; A preparação e visita a Santa Izabel e prima mais idosa, em vinda de João Batista, evidência- se sua vinda antecedendo seus passos públicos; Servir em cuidados e zelo a prima e mulher, por missão especial como também gestacional; A intimidade entre ambas com sinalando Deus e colocando sentido natural, a vida de seus filhos no ventre, com o milagre da presença de vida, no sobressalto do ventre, a missão de mulheres e os estados da vida na genealogia profética de família de Davi( João Batista e Jesus – O messias).Um prepara o caminho, e o outro, é o caminho, a verdade é vida.
De fato, que em Jesus, Maria nossa senhora, é um divisor comum no princípios do Cristianismo e Igreja apostólica católica romana, nos vínculos proféticos entornos da maternidade e feminina – Mulher e no Evangelho em Jesus no Pai. A igreja ressurreição e Cristo vivo, a mãe estava aos olhos do Senhor, que dignifica o Filhos cada vocação e discernimento de discípulos(as) e apóstolos e apostolados religiosa e leiga de mulher em missao sendo missão. Na vida. A mãe, e o filho: Aprende – se desde ventre, tudo que de saída, é e será na vida com Deus. Recebe livremente tudo- Alimenta- se cotidianamente, nesse crescimento para vida pública, na fé.
Atentos conscientes, que sentidos proféticos evangélico em controvérsias por:
• Insegurança em conversão – Estados indefinidos;
• Estados em sentidos do que o mundo, as pessoas querem e define se para nós, e querem que façamos, e não orientações por direções;
• Discernimentos obscuros;
• Prontidão ao providenciamos na ajuda aos irmãos ( as) e famílias, e entes;
• O despreparo leigo( a) apostólica profissional na formação, espuritualudade; descapacitado para decisões e discernimentos;
• O medo, a tristeza e íntima cotidiana no caminho, e fugas, e etc.
Descaracteriza se direções e discernimentos por pontos, nestas considerações no plano de vida eterna – Amar é servir, a caminho e entrada no plano divino da eternidade, no exercício do amor, direções EE sagrada, em Jesus e corpo místico, na Boa Nova e aliança profetizada.Os frutos do Espírito Santo – Vida eterna e: a) Conversão de nossas imperfeições, para a alegria do Evangelho; b) Não acomoda – se diante de evidências ante as contradições sócio – político e econômico da sociedade; c) E etc.
“ Há diversos dons, mas o Espírito Santo, é o mesmo”
Teologia e pastoral – Vida eterna
A alegria de comunidade, nós cristãos católicos não meditarmos, contemplamos nem estudamos, e partilhamos a temática: Reino e vida eterna. De forma prática nesse EE cotidiano que somos enquanto leigos(as), e ou consagrados , diante principalmente de pastorais no sentido – Teológico e pastoral.
Sentido intelectual civil
Planos acadêmicos civis, as obras intelectuais de um autor(a), ao longo da vida mística do desenvolvimento do conhecimento a serviço da comunidade, representam o conjunto das mesmas, são princípios fundamentos da memória em vida – “ Prolongo de vida eterna”, na vocação intelectual produzida – Imortais.
O corpo mistico – Igreja
Alegrai vos sempre, no Senhor. A semente do evangelho, Jesus feito homem no plano divino de Salomão – Retorno ao caminho, perfeito de amor. Buscando ênfases em direções apostólica e orientações doytrinais( Papa Francisco, 2017), entornos nós PF cristãos, e em anelos: Fé e razão. Sem juntos, e numa separadas e individuais. Principais frente aos apelos , da sociedade e indivíduos; principalmente paixões de dúvidas,interjeições alertas, e sem respostas. Os documentos apostólicos e claros sempre presente.
O caminho, verdade e vida, no corpo místico hoje, precisamos EE vivenciar comunidade neste mistério- Dar a vida, sendo vida:
• Comunhão ( Fidelidade trinitaria e comunitária no Senhor) ;
• Orante, partilhada, vida comunitária pessoal, e etc)
Batizados – Transmitir ao povo o conhecimento da Salvação – Pastoral
Dar testemunho do Senhor, frente as indiferença de crenças, credos e fé. Neste estado acolhido, seguir modelo e ambiente na evangelização- Vida eterna.
O percurso perspectivo, encontramos às pastorais. O que é pastoral? É uma ação da Igreja no mundo ou o conjunto de atividades(Espiritualidades, sacramentos, e obras de misericórdias, e etc.), pela quais, o corpo e mistério de Cristo – Igreja realiza, é e será uma missão em missão, por:
• Contínua ação de ² PF- Jesus cristo;
• Pastoreio e ovelhas – paróquias e apostólicos diocesanos.
Fundamentos pastorais
a) Transmitir estudos; promoções da vida na agregação de fiéis e carismas em dons; Partilhas e comunidade;
b) Acender acentuando e dando tônica- Valores cristãos católicos;
c) Sinalizando os PF do Cristianismo e Evangelhos;
d) Serviço a comunidade;
e) Disseminar a teologia do Cristianismo em : Cursos regulares; cursos e escolas; ciência, razão e fé ( Científica civil) experiências práticas sob cunho ético moral perante PFC e Igreja instituída e missão, em exercícios teologias e pastorais.
Os discernimentos e eixos TP – Cristianismo
1. Objetiva – Evangelizar sempre e difundir no anúncio, em todos meios, e povos, línguas das nações;
2. Funções – Profética , litúrgica e real. Na condução de Paz a promotora e bússola apostólica de caminhos das comunidades – Vida e amor por amor em Jesus, e prática EE do Cristianianismo( Ser) . Nestes preâmbulos, todos: Apelos da sociedade; Juventude; Saude médicas públicas; Solidárias sociais; Ensino educacional e sentidos sustentáveis e anelos a vida , e meios ambiente.
Público distintos comunitarios
a) Setores em comissões ( Grupos), exemplos à nível de entornos particulares, e discernimentos Diocesanos, paroquianos, e etc;
b) Pastorais Afro – Brasileira e sociais, carcerária, de rua; migrantes; Nômades; pescadores operária, Indigenista; terra; batismo; comunicação; DST/ AIDS; catequese; cultura; Dízimo; Educação; Juventude; mobilidade humana; sobriedade; Idosa; turismo; dos brasileiros no exterior; familiar; litúrgica; universitária; vocacional e outros como” sexualidade” e casais de 2ª União. ( Wik.pc, 2018).
Imagem e contemplação de Reino eterno íntimos perfaz testemunho: Que imagem e contemplação de Reino que faço e formação? Oração; meditação; contemplação do Evangelho e reflexão com estudos aprofundamentos com conhecimento da palavra, comunitário fraterno. E caminho formativo na condução de reino dos céus e diante de: Morte; Purgatório e céus. “ Vigiai e orai, pois não sabeis a hora”.

Soldados no exercício de vida cristã, na fé, nossa arma de preparação e ação, se faz parte de Reino que contemplo e face a face de Cristo. É contradição do Evangelho! O povo de Deus, que acorrentados, sem discernimentos, divinos, na comunhão do insconsciente: Vícios, inclinações virtudiais e maldades; guerras espirituais e batalha de religiões; sentidos de homens e mulheres na ótica de vida, pelo vocacional, no estado e razão.
Caminhos na teologia e pastorais – Formação vida eterna.
Dioceses em seus vicariatos com paróquias em seus regionais discernitivios formativos de sacramentais, obras de misericórdias, evangelização formais e regulares de cursos doutrinais Igreja católica romana, precisam desenhar planejamento entornos de graças e bênçãos da otimização formativa na temática e vocação divina para todos os cristãos sobre vida eterna. As ovelhas de pastoreio redil, ao desconhecimento e conhecimento de Deus na palavra, nosso retorno ante Boa Nova e aliança com Jesus. Essa é direção que todos cristãos precisam conotonar conversão, não pela almas descaídas e fundo do poço de vida de pecado. Perante indignas correntes e acorrentados. Conhecimento o que vida eterna, e como podemos conhecer e entrar neste plano divino, e projeto redirecionamento ao êxodo no mundo de pecadores…A Vida plena.” O princípio era a palavra”. E Jesus, fez homem, vinda da mulher, sendo Deus. E mostrou- se Um no Pai.” Eu sou!…Eu no Pai…Eu é o Pai somos Um.
A mentalidade de vida eterna, os cristãos (as), pouco tem, e não conhece em Deus, formação e desenhos íntimos em Deus. Acredita se culturalmente erroneamente, que somente súplicas, comunhão e comunitária no corpo místico e obras de misericórdias e teologais e pastorais, iremos aguardar e morar na vida profética eterna. As contradições são presentes: Medo da hora e sobre pós- morte… A apresentação e juízo final?; o purgatório? A volta triunfante de Jesus. Vida eterna, Vitória do pecado, sobre a morte. Jesus somente voltará- Parusia…conversão de todos. Aí está o mistério…Os sinais, a palavra, entornam passagens, analogias, e parábolas pedagógicas instruídas e ensinadas pela igreja e todo apostólicos encíclica a respeito de temática em ordem que envolvem questões e problemática a cerca entre: Fé, ciência e razão. Num laço de afirmações para discernimentos apostólicos divino e corpo místico de Cristo institucional e divino tributário.
A convivência e vivência de cristãos (as), por muitos permeiam sinais alienantes, e nem convictos tais apreços e luz de conversão e testemunho vivo, mais pouco ante revelação íntima e formação – Vida eterna. O evangelho plenitude vida eterna, começa aqui, neste o Pai, e o Filho, se fez vida e amor.
Crentes e de fé viver e entronizado vida convertida em caminho, com Jesus no Pai, e providência Orante, em pé de Nossa Senhora. Que cânticos, recintos de salmos lovores, com ladainha salvifico com Maria e intercessão dos Santos, e guardiões anjos pessoais, que temos, nos ilumine neste retornos ao Projeto antigo da Criação e planos de resgate enquanto filhos(as), de Deus.
Podes reinar
Senhor, eu sei que é teu este lugar, todos querem te adorar, toma TU a direção. Sim oh vem, oh Santo Espírito os espaços preencher. Reverência à TUA voz vamos fazer.
“Podes reinar, Senhor Jesus, oh sim.Teu poder teu pivo sentirá Que bom , Senhor , saber que estas presente aqui. Reina, Senhor, neste lugar.
Visita cada irmão, oh meu Senhor, dá- lhe paz interior e razões pra te louvar. Desfaz todas tristezas, incertezas, desamor, glorifica o teu Nome, oh meu Senhor.
Neste cântico um louvor, reverencia e serserve na graça e tementes , crente pela abertura do coração a fé, no anúncio do Evangelho – Reino eterno. Triunfante voltarás pois a caminho estais. Em ceia com todos no amor, com alegria, que nos vem do Senhor.
A nossa pérola conosco, Maria, contigo, colocamos no altar do Senhor, nossa vida em oração.
[Colóquio: Alegria profética e comunidade- Vida eterna: Jesus e Reino dos céus. “ Teologia e pastoral – Exortação vida eterna, (At, 13, 48).


Jusenildes dos Santos University Européia Atlantic- Ibero. Tecnologia e ciência da informação. Docência CTGC – Teologia e política – FCP. 01.7.2019.]

Diálogo do corpo – Perspectivas: A presença do corpo na história da arte – Visão Charliston Pablo do Nascimento “Novas percepções com sem Tecnologias Inovadoras” Jusenildes dos Santos

I – INTRODUÇÃO

De início á abordagem desenhou uma introdução do pensamento entorno da temática do I Colóquio – Diálogos sobre o corpo. A percepção dentro de uma evolução apoteótica para as paralelas entre: A visão filosófica sobre o tema do corpo e das realidades, tendo o corpo como ator congruente em relação a uma discussão para o diálogo com a arte, a psicanálise, a medicina e a psicologia. “E em correlação com arte degenerada, o percurso da “mesa” trafegou-se a própria ideia do ascetismo idealizado do corpo na censura ás manifestações artísticas [Nascimento, 2018]”. È uma á proximidade correlativa a temática, abordagem: A recusa do Espírito sem corpo: Sobre apropriação e hierarquia, [Ornelas, 2018]. Continuando neste percurso construtivo do pensamento para a temática, que insiste por contornar paralelos inter-relacionados: Nas trilhas da criação: Reflexões sobre o corpo, autoria e discurso [Lessa, 2018]. Traduzido num desenho construtor e introdutor para o formato do minicurso, o contorno então traçado. Objetivando referenciais respectivos para o contexto para: “A presença do corpo na história da arte – [Nascimento, 2018]”.

Introduziu – se, em construção dos conhecimentos: a) Arte e informação [Signo]; E linguagem? b) Arte e artefato?  c) Arte é objeto criado? Arte é a expressão que passa versus artefato. Os referentes de origem, para trilhar a tese. Neste fio de abordagem entornou a um histórico na trajetória vinda ao perfil Grego: Sexo heterose e homo, para concepção de anel? A imagem para desenho do pensamento numa linha crítica – “Imagem pornô” – Fotográfica, para situação contextual de sugestão a priori: Algo ou alguma coisa de sexualização. A imagem de artefato com expressão de arte, realmente e que perpassa um signo e linguagem, e por uma vez a interpretação traça uma informação e representação da sexualização do indivíduo, e não do objeto. Configurar para qualquer síntese e que a forma de canalizar que vai além de projeção, em questão. A imagem é uma mensagem – Informação e linguagem? Realmente abrimos questionamentos, em relação à vivência do sexo ou da sexualidade? Portanto a sexualização da imagem, é a expressão do Belo, na busca pela perfeição em sua representação em todos os elementos essenciais da estrutura e fundamentos da arte expressada, uma superação artística do artificialista, a ser expressar, pela ideia de Belo, obra prima parida e gestada, por tanto a imagem ganha contornos de nudez, que não seja pornô – A desconstrução da nudez e arte, ainda que seus traços sejam de extrema composição e sem expor a nudez [Roupas e adornos]. A linguagem existe e outra ótica, o de transpor além do desejo praticado. O que vai além da vida do sexo praticado, em anelamento e unido, que apresenta leitura da filosofia de virtudes para a vivacidade de uma sexualidade homem ou mulher. Esta linguagem cultural para os gregos, que sugeriram sexo e outras culturas? O que sugere? Uma imagem de sexo e cultura Ocidental? Transportando outras culturas não terrenas? Pode a imagem de sexo [Sexualidade] não supor o que ê? O que sugere? A arte expressiva é livre enquanto artefato considere de culturas dominantes contraditórias, a arte expressiva, de origem ativa de uma cultura. A arte de fato, não é livre, pois entra em certos conflitos e questão se for para quebrar paradigmas centrados em suas: Filosofias, leis, comportamentos e costumes e crenças, pelo qual o expressionista não esteja em inserção. A arte de fato não é livre, pois entra em contradição com culturas, criticadas por fechadas, em suas filosofias políticas e religiosas para a interpretação do contexto – Imagem [Artefato, é arte ?] expressão de artista em adornos de busca pela transcendência espiritual de picos altíssimos de percepção desenhada em uma leitura imaginativa na práxis [Artefato em expressão]. Podemos transpor uma imagem de linguagem Grega [Sexualização], com uma flor? Numa leitura Pós-moderna e Clássica. A arte pode surgir e imitar um objeto in natural, para artefato – “A flor”.

II – DESENVOLVIMENTO

2.1 –  Á ARTE É LIVRE?

Em consideração ao estado da Arte, pela afirmação de seus fundamentos e princípios para afirmar é livre, totalmente livre e sempre. Para a ótica e linguagem objetiva em contornos de representação de signos para uma informação. É necessário ao representa-la unir e verificar parâmetros, num conjunto de uma estrutura: a) Criatividade, suportes tecnológicos do artefato; filosofias e ou ideias em seus diversos aspectos que, direcionam e apresentam sugestão e interpretação, embora, o artista ao adornar “mensagem” intrínseca, desenha uma contextura e morfologia de uma linguagem, que quer e pretende passar e introduzir a construção do pensamento expressão de inovação expressão de arte; b) Artefato em tentativa e sugestão de leitura criativa com expressão de liberdade, para entronizar-se a uma cultura que contextualizam sua performer de arte, não são a arte e artefato livre? c) Quando entra – O artefato e arte num embate com a cultura [Conflitos]? Questões de comportamentos de contextos de exclusão ou inclusão? Aspectos políticos? Aspectos éticos positivos ou por impulsionar para quebra de regras e paradigmas ao contorno de interpretação e embates repercuti-vos reativos a expressão para uma compressão de trajeto de repressão, e diminuta do Belo. O artista na entronização de sua expressão, neste perfil, a história desenhada e refletida em projetos artísticos sociais, no encontro dos entornos provocativos, triângulo intercultural de uma sociedade, no conjunto de respeito reciproco: Arte, artista, artefato, linguagem/representação e culturas, numa perspectivas de leitura presente ou futurista. O artista, a crítica é um acento a considerar para o desenvolvimento de outras criações do mesmo, e perfil de sua personagem situada, se aceita ou rejeitada, a exposição de suas obras, é importante e imprescindível, para arte de inserção da cultura ou afirmação do artista.

  1. 2 – ARTE E INTERPRETAÇÃO SOCIAL – ASSÉDIO PELA SEXUALIZAÇÃO

Existe a figura representação e sugerida do assédio na ideia, provocação e perfil de um ambiente criado ou reproduzido para a sexualização, algo comparado á ordem de [“Galinha”] no momento errado e numa sugestão que não transpõe o outro. O respeito a “Outro” – Ser humano.  A construção do pensamento mira e traduz só o corpo é pouco, para o ser pensante – HOMEM OU MULHER, na conotação de situação de assédio vivida, e confirmada que provoca invasão da liberdade de uma sexualidade livre, e aberta a sua afirmação pessoal de formação cultural construída e de expectativa em que se vive e acredita-se. A liberdade do livre arbítrio, em que o homem – mulher é livre mais na inserção de uma cultura, não somos livres aos “desrespeitos” – Desvirtuares e morais pessoais a considerar, sim, nesta via de imposição ao outro. Não somos livres, se uma cultura de politicas jurídicas de direitos humanos, não penetra e nem introduza pela proteção do individuo: Criança – adolescente, Jovens, adulto e idoso na construção da personalidade de uma consciência, a de uma sexualidade [Nossa] ou do outro (a). O sexo [Gênero na conotação do pensamento de ciências do comportamento entorno Séc. XXI introjetada], não pode ser considerado como afirmação de poder. Somos todos construídos numa sexualidade do Homem – Mulher, em seu integral, para uma mutualidade existencial, e não para centralidade do genital, numa perspectiva do genitalíssimos, que por face de escolhas, e sociedade de não aptidão e adenso psicologicamente, que sempre impositiva, ao cria-se a conotação de vida sexual idealizada e não opcional. Creio que cada um sua existência de uma sexualidade e de como usar suas genitálias, de livre arbítrio – Uma educação construtiva integral de percepção [EU] e [Outro], e do [EU com o Outro], ambiente sistêmico para sexualidade, também é essencial.

2.3 – ARTE E SENTIDO PLENO NUMA EXPRESSÃO

Arte é expressão representada por uma linguagem, o rigor do Belo, ao expressar o artista em seu artefato. A criatividade exige-se esforço em traduzir sua ideia representada, por signos o cunho e curso imaginativo ilustrado na linguagem origem utilizante. O Belo medieval é a expressão e rigor do artista que chegava aos últimos escrúpulos de artefato adornado, principalmente na pintura, que ganhava detalhes: Sinuosos, minuciosos, minúsculos adornos, traços caraterísticos e pessoais – A imagem do eu, como objeto. A exigência de um Eu e superações para transpor sua ideologia da representação objeto. Atingir certo grau de transcendência espiritual plenamente, ao esgotar a lógica e práxis no artefato criado e procriado. Raízes e origens da vida expressamente no trabalho de um artefato imaginado in natura, da arte, mais para a gestação do artista; existe vida em todos os contundentes de uma dedicação aplicada. É artefato, um formato e suporte de arte – A obra. A mesma percorre e faz um trajeto para nascer, a ideia e produção, no que se supõe [Belo] – Todo artista considera sua expressão bela, diante de sua superação infindável, de tradução do seu imaginável. Este em seus detalhes é pleno. Expressado, Moderno ou Contemporâneo de inovações tecnológicas, não existe plenitude do Esmo perto do Belo, em suas respectivas leituras e características, e essência gastada em esmeros e carinhos, numa trabalhada e exaustiva – A minha alma, e o meu espírito. Sua origem e teorias fundamentadas de arte, assim os representam. – O Belo.

2.4 – ARTE E PATOLOGIAS CONTEMPORÂNEA

Os contratempos das patologias, em duas situações: a) Patologias para estruturas com elementos especiais, hoje em arte, para empreendimentos de projetos arquitetônicos engenhados com desenho tecnológico – Uma concepção de arte, para suas minuciosas consequências do tempo de origens, e o desenho detalhista da recuperação de suas imperfeições: Fissuras, fendas, aberturas, etc. As imperfeições causados com tempo, abrangidos pelo uso, e intrínsecos potenciais de resistências danificados entornos técnicos, que se exige: Correções; reestruturações, recuperações de edificações e técnicas; restaurações detalhistas nos minuciosos para manter suas origens criadas e geminadas [Adornações, perfis, estruturas, pinturas e produtos pré-fabricados para subsidiar originalidade de projeto por considerações adequadas para uso e auxílio especificamente] e a sua fragilidades de suportes e artifícios tecnológicos extensivos à permanência do tempo exato de vigência; b) Patologias de contextos: Clínicos de psicose estética [Percepção de análise de comportamentos]. Uma situação grave, que o conceito científico e clínico, para a livre expressão de arte agressiva e rebelde de incidência, exclusivos aos excluídos artistas, que não conseguem atingir seus objetivos característicos de parâmetros normais. É considerada expressão de terapias em recuperação e terapêutico em evolução para se chegar a um grau de autoconhecimento de si e suas representações de leitura do seu comportamento [Eu aberto ou fechado], portanto expressado. A terapia, evolutiva alcance a compreensão e interpretação terapêutica de quem o acompanha, e o próprio paciente e artista, no adensamento expressado patologicamente em desequilíbrio existencial, que impõe e expõe estilos e performer de estado expressivos de psicoses [Arte conceitual], assim conceituadas clinicamente e psicologicamente anormais de punho de funcionamento psíquico do artista Contemporâneo e na introspecção aventureira de inserção de performer de artista e apresentação de uma patologia firme nos desequilíbrios existencial, que de certa forma se impõe e expõem-se seus estilos e formatos de estado e expressões de intensas psicoses [Arte conceitual], considerada psicologicamente pela percepção anormalidade de punho funcionamento psíquico do artista Contemporâneos e na investida aventura de inserção de sua caracterização numa pessoal identidade de artista e sua pretensa afinação para o contraditório. As questões polêmicas de inserção social para aceitação e identidade de uma sexualidade, não respeitadas, a exemplos: Homossexuais e filosóficas religiosas excluídas e marginalizadas, e outros autores.

Neste conceitual científico de área do conhecimento, abrimos por uma problemática a figura dos abusadores e insistentes potenciais de impulso para que estes súbitos estados psicóticos incidam a permanecer e nascer pessoas e indivíduos vulneráveis expostos, que são usados para estes desafios de suas aberrações naturais por tempo cientificamente possíveis de comportamentos por transtornos, que de forma são manipulados, roubados suas identidades e estados, em suas situações de projeções evolutiva do desafio para a sociedade, vítima em suas concepções: Éticas, políticas, religiosas, econômicas e culturais. Não podemos negar que existem: Vernissages, galerias, museus e projetos ousados para estes perfis de artistas, com externas patologias, que são os que são explorados diante de estratégias econômicas claras em destruir: Culturas e religiões afirmativas de coesão dominante, por grupos de negócios e empreendimentos de investimentos na economia interna. Que de forma terapêuticas, podem e devem serem expostas para construção dos indivíduos e ou pacientes também artistas em expressão, numa esfera de terapias involutivas ou evolutivas dos mesmos.   Por trazer desta infinita desconstrução de arte, desafios patológicos psicóticos: Abordagens de conceitos e óticas impositivas; performer para construção de padrões comportamentais em diversos aspectos; Atores exibicionistas para chamar atenção e marcar territórios pelo aceitável, com linguagem de representação artística do novo Contemporâneo preconcebido, que inegavelmente sem seguir fundamentos científicos de arte e artefatos.

2.5 – O CORPO E MODELO BIOMÉDICO: UMA LEITURA DA COMPREENSÃO EM HEIGGERIANA E TRAJETÓRIA PARA O CONTEMPORÂNEO.

O conceito e concepção do corpo, para um conjunto e estrutura do modelo biomédico, perpassam por apreciação de “Coisa – objeto”, e sentido de aparelho humano e no sistêmico por corpo de um ser vivo, sob a ótica do profissional investigador para equilíbrio de moléstias, doenças e males do corpo para uma cura, enfoco por vertentes:

2.5.1 – A ATENÇÃO BÁSICA PREVENTIVA

A preventiva construção de uma saúde previamente acompanhada para evitar e combater instancias de doenças sistêmicas inexistem e os percentuais exigidos para estado de saúde. Seria uma infraestrutura evolutiva de áreas conhecimentos e estratégias técnicas para a não evolução e atenção básica. E, portanto não funcionam mecanismos intrínsecos primordiais, exemplo: Profissionais insatisfeitos com o sistema e apenas cumpridores de cordeais contratos ou dissolutos sem compromisso com: A ciência, paciente e ética profissional; b) Programas econômicos para afirmar diagnósticos de doenças em situação de enfermidades adoecidas. E ate programas em eventuais ocasiões e sem incidências patológicas, sem continuidade e progressão científica e do paciente em seus grupos e perfis de riscos geneticamente herdados e aspectos locais e regionais; c) A população analfabética inepta, sem reação a ótica mais educada de previsão de doenças; d) Políticas desencorajadoras, mais compactas e sem inovações, mais de interesses e manutenção de poder regional. Uma característica de governos sem perspectivas de continuidade de políticas afirmativas de independência, mais pelos óticos momentos temporais de governos em evidencias, sem teor de prevenção. De forma que programa preventivo não é considerado o básico e crucial, para não se gastar tanto, em doenças, pois a força de poder de tratamento e terapias de doenças é mais bem vinda para assistência e conceitos econômicos de grupos privados, e não públicos, pois não existem. A presença de consistentes programas descontinuados e total perfil e presença de inteira exclusão e aparente inclusão de politicas de interesses econômicos e não no trabalho preventivo de saúde. Afirmação de futuros doentes e doenças preestabelecidas clinicamente se diagnosticadas previamente especificamente ao longo de transcurso de vidas e grupos etários e sexos: Crianças adolescentes e jovens, adultos e idosos. Mais prioridades são os sintomáticos graves e polêmicos a serem tratados em seus prognósticos médicos clínicos ou específicos, e ainda que incidam no corpo como índices em progresso a evitar a conotação gravíssima introduzida e integrada ao corpo, ex: Programas de controles e acompanhamentos de estados clínicos ou não de grupos/ indivíduos e faixas etárias em situações de possíveis e futuros para uma longevidade, de outra parte deficiente ou preventivos combates para enfrentamentos em crianças e jovens.

2.5.2 – DIAGNÓSTICOS DE DOENÇAS – BIOMÉDICAS

De desconstrução de um modelo biomédico construtor para o caótico sistema caríssimo de terapias de curas por medicamentosa por artifícios de interferência e tratamentos e diagnosticados por exames empoeirados por custos dispendiosos.

Sistemas de grupos, com bases tecnológicas de exames caríssimos de contextos de privadas clínicas, que não justificam tantas explorações por exames locais. Pagas em momentâneos situoticos e não de acompanhamentos e compreensão médica das doenças. Um sistema altamente caro de investimentos públicos de sustentos. As características distintas de assistências, se: Público ou particular totalmente diferenciado sem garantias de 100% de eficácia e consistente de sua qualidade por básico compromisso como o paciente e nutrida situação de contexto negócio e valorização do cliente.  Os contratos de cunho públicos de sistemas biomédicos desassistidos de qualidades de serviços e prestação de qualidade e potencial ético de padrão médicos. De considerações graves de cansativos transcursos de esperas lógicas e demoras por longas filas e ambientes sem amplos confortos, e: Exames de sangue, e patologias etc. Os assistidos particulares evidentes por prioridades em tempo e habilidades e infraestruturas especiais, totalmente empoeiramento do dinheiro investido e não pela valorização do corpo e saúde.

2.5.3 – PROGNÓSTICOS E TRATAMENTOS TERAPEÚTICOS DE ACOMPANHAMENTOS EVOLUTIVAS: AFIRMAÇÃO AUSCULTAÇÃO DO CORPO.

O sistema existe, abrange e compreendem a manutenção de vias do privado, que não tem por missão empresarial de valorização do corpo e o ser vivo, mais pela percepção de Objeto – Coisa, por conotação de negócio e uso de uma permanente manutenção do sistema subsidiado, em vínculos de cunho e ambiente político sistemático, onde principalmente não ocorrem concorrência de mercado. Exames de prognósticos de doenças e tratamentos terapêuticos: Exame de custos altos sempre sem variação de outras empresas laboratoriais para verificação comparativa e aberta afirmativas e entornos inováveis, em sentido de pesquisa e cura dela, objetivo de uma valorização – Vida e corpo, objetivo de uma terapêutica especializada. Que, portanto, deveria haver rodízios para dar seguridade aos exames, e não aberturas a corrupção, pela sequência permanente de paciente exposto pela confiança em um especialista. – O médico a mercê de:  Verdades estudos e pesquisa investigação casos especiais e a possíveis inverdades para manter e sustentar a necessidades financeiras por objeto [Exames repetitivos de acompanhamento investigativo. Uma cadeia submissa do paciente e da doença, na afirmação e presença de doenças com elevação de grau ou diminuição de uma existência de focos de combates infecciosos de doenças ]. A rotatividade de exames, seria á alternativa correta para a não dependência e exclusivismo de biomédicas e sistema privado, pois o público não mais subsiste, e a expectativa de longevidade de pacientes pela cura, mais pelas doenças espionadas até uma morte ou não.

2.5.4 – TRATAMENTOS INTENSIVOS TERAPEÚTICOS – INTRANSPARENTES PARA ACOMPANHAMENTO FAMILIAR OU E PACIENTE

É corporativo, ambas as presenças de mercado: Privado e público. A transparência para vinculação e acompanhamento paciente ou familiar dado ao inviável impossível racional, por sistemática intrínseca de informação livre acesso, pois o sistema é investido para cura e recuperação enferma. Todo conjunto de exames laboratoriais submetidos e sua evolução sem a real significação abertas expostas para verificação de estado comprovatórios: Cunho biomédico terapêutico e nem especializada médica intensiva plantonista. Em caso de informação caso procedida apenas formalizo, de estado clínico presente. A disseminação da informação é censurada, ao investidas totais inviabilidades públicas ou casos restritos. Um sistema caríssimo, e usurpador, principalmente casos com ótica de laudo de incurável – Casos enfermos de doenças traumas sem perspectivas científicas de curas afirmativas, casuísticas especiais raríssimas. Casos internos ou externos, são oferecidos intransparentes. Hospitais públicos sucateados e subsidiados para o privado. Uma carência em laboratórios técnicos profissionais e auxiliares terapêuticos. Aparelhos antigos sem inováveis tecnologias de investimentos de sistema de saúde renovadores em suas políticas hierárquicos. E quando existem, presenças de profissionais desatualizados para o campo investigativos laboratoriais clínicos e ausentes investimentos científicos – Infraestrutura investigativa para cura das doenças. Um sistema totalmente monopolista intransparências para consistir ao Objeto da doença financeira. De outra forma, umas linhas evolutivas sustentáveis Contemporâneas inexistem.

2.5.5 – SISTEMAS PÓS – MORTE – CORPOS AO CLÍNICO SUBMETIDO.

O sistema compreende de exames: Autópsia, necropsia ou exames cadavérico.  Além de tendências ao mapeamento de DNA, e outros específicos para casos: Cadavéricos em remoção de restos mortais, exposição de afirmativas concepções de investigação científicas civis probatórias ou prognósticos de origens hierárquicos, cargas genéticas familiares determinantes ou genealógicas de doenças. Serviço assistidos mais por clínicas Uma parte básica pública e subsidiadas para privada. O sistema mantenedor para o privado exclusivista de monopólicos e cadeia dominante, se rodízios de venda e comércio de exames e assistência feedback a ciência investigativa positiva e profissionalismo para esclarecer e gerar [produzir] conhecimento circunstanciado pela hipótese experimenta teórica prática laboratorial para afirmativas de teses.

2.6 – O CORPO E A SEXUALIDADE DO ARTIFICISMO CONTEMPORÂNEO – IN NATURA GENÉTICA EM HEIDEGGER

2.6.1 – O CORPO E TRANSEXUALIDADES – PERSPECTIVAS TRAZIDAS AO ALCANCE

O desenho perceptivo inexistência de formação da construção, mudanças e transformações por decisões e escolhas pela desconstrução biológica genética determinante do corpo matéria – Objeto e vida da personalidade de uma alma imperativa do sexo por gênero [Afirmativas de ideias sentimentais emotivas de personalidade destruídas psicologicamente tragadas pela não conotação de heranças normais da vida e indivíduo por infusíveis desencontros naturais para contextos imaturos e inseguros: Como me vejo? E percebe -se desconotativas de corpo biológico genético plasmado e gerado. Ideologia de transformação de corpo transexualizado e oposto a natureza identidade genético de corpo, e não pela concepção – Corpo [Objeto e Coisa particular] descaracterizada da alma e espírito cientificamente reconhecida intrínseca ao ser vivo – SER HUMANO. O sistema público de assistência é incapaz e pelego, nesta orientação ou reorientação psicológica de transcursos neste processo, pelo imperativo comercial dada ao acesso, de cunho e teor financeiro de altos custos privados, que público.  Uma convicção confluência de transparência das transposições e da idade involutivas do corpo ao recurso artificialista [Conceito: Contra – feito, fabricado, postiço e disfarçado portanto dissimulado e enganador- Falso, de Adj. De projeção uma arte profissional médica técnica ilusória correção biológica  in natura e não inato, que do congênito nasceu individualmente.]. Essa construção de pensamento de informação e comunicação ao indivíduo soma-se imprescindível acessos de aprendizagem e conhecimento para percepção de uma identidade sem determinismos imperativos de tendências desconstruídas para a construção de entornos pragmáticos em seus contextos sociais livres… Compreender as transformações do por que ocorrem e quais necessidades: Carentivas psicológicas e afetivas a serem repostas a reconquistar readquiri novamente e para recuperar e trazer á memória biológica de um ser Homem ou mulher ao relembrar para identificar-se Natural individual.

As informações e conhecimentos devem ser construídos paliativo disseminarias perceptivas, mais obrigatórias de aprendizagem de contextos totalmente programáveis formativas que evidenciem realidade auto – questionantes também, vivências e experiências nas inter-relações transcorridas e suas acentuações negativas ou positivas desencadeadas pela desconstruída sexualidade nata, descanalizada da realeza do sexo origens. Esta direção familiar e entornos de formação da personalidade se distância de importantes: Afetividade e genitalíssimos em seus determinantes, nossos genótipos. Diante destes conflitos existenciais e ausentes, a ótica de uma sexualização alusiva para exaltação impostas de sexualidade harmônica de diferença [“M ou F”]. Umas instâncias circunstanciada da formação individual capacitantes intrínsecas naturais e a adquirir de nossos conjectures das personalidades inerentes aproximados que afetivamente e psicologicamente adquirimos e ou absolvemos a somação à formativa individual, essenciais principalmente aos processos entronizante necessidades de “meiguices afetivas”, em carentes situações desconstruídas concretizadas, ao longo em avolumados e acrescidos a sim mesmos, a prorrogar sem percepção autoconhecimento do Eu e reconstrução emocionais destas ênfases.    A canalização de indivíduos desviados de sua pessoal identidade diferentes, principalmente caracterizados por des – infraestruturas familiares debilitadas e despreparadas incapacitantes, mundo interno e nas apologias externas. A sociedade em desequilíbrios inconsequentes numa contradição: Apresenta, sugere e introduz desconstrução – reconstrução induzidas para artifícios e reprimir assumidas imaturas decisões num “Destino” irreparável e inconsequente sem aparatos institucionais de sustentabilidade ao [Novo introduzido – ser humano], em desleais situações e infraestruturas sociais, culturais e econômicas   promissoras para gênero – Outro Sexo].

2.7 – O CORPO COMO MIRAGEM E SEMELHANÇA.

O corpo como equilíbrio e harmonia com os parâmetros técnicos: Nossa corpórea x e peso/altura científico equivale concentração com metabolismo e saúde. Os padrões comerciais de beleza imposta pela mídia, equivalente a idealização e miragem de beleza, uma ótica errônea padronizada do corpo e descompensionada. Nas instâncias de evolução do crescimento: Criança/adolescente e adulto, temos um signo cronológico – médico [Linguagem indicada de consistência a seguir]. O corpo humano, é semelhança – Seres vivos, numa compreensão sistêmica, onde define-se espécie a criatura humana, distante de padrões estéticos com saúde – equilíbrio, somos semelhantes [Ambos sexos M ou F].

A percepção comercial de Coisa – Objeto ao corpo desconsidera um estilo próprio de evolução concreta estimada de saúde, pelos consistentes parâmetros médicos/nutricionais indicados, que nem sempre corresponde por miragens entronizadas pelo comércio de produtos e situações: Cor/brilho; Corpo malhado com massa desenhada por músculos exaltantes e avolumados; Estrutura do corpo magismo/ mulher; Barriga tanquinho com curvaturas de padrões de super miss da ditadura das polegadas idealizadas ou Teacher personal treine física visual representado. Por trás existe toda comercialização de atos cirúrgicos de correções com altos índices de exageros entorno de estética, em nossa concepção para alternativas de correção para deformações genéticas, e não para recompensações de equilíbrios da Coisa – Objeto do corpo. Onde a medicina exercida sem regras e controles de inserções de profissionais, que arriscam tais processos sem formação e aparato acadêmico empírico e prático para exercício legal médico. Um sério problema social para a medicina estética legal – Uma questão problematizada na sociedade de comércio atual. Todo ser humano compreende até onde, consiste sua miragem, sem perder a ótica de si proporcional para si, e para os outros. Diante deste, não é normal a miragem e uma semelhança divina natural.  Objetivar e mirar na aparência, em se relacionado com apoderação e apropriação e “cobiça” do outro, é desproporcional para situação psicologicamente indicada – Padrão de corpo comercial.

Consideramos que a miragem segue equilíbrio de saúde nutricionalmente e educada em alimentação, sem descompensação ao: Alimenta – se ; Ao hormonal em desarmonia; Ou por exigências  de vitaminas de reposição; Descompensadas de doenças [Perdas], e ou Potenciais de substâncias de interferência ao contínuo processo de medicação compensatório ao volume do corpo: Água, Gordura , Massa corpórea  , e etc. Um estágio e incidência de doenças: Obesidade mórbida  tipo 1; Obesidade adquirida tipo 2.

O corpo médico/psicológico especializado, possuem parâmetros e mecanismos para indicar e posiciona-se ao indicador de correções estéticos para educação alimentar/ nutricional/psicológico , em suas relações aos processos cirúrgicas e tipos indicados: a) Avaliação de exames específicos; b) Desenho de doenças presentes ao corpo/ indivíduo; Avaliações de outros profissionais especializados – Grupo de pesquisa e investigação das técnicas; Sistemas de cooperação – público  ou privada de assistência direcionada aos padrões econômicos  da paciente. A sistemática, ainda é de custo alto, e não oportuniza a todos que carecem de sistêmico conjunto de saúde pública. E um vínculo que merece cuidados rigorosos e minuciosos pelo risco, de uma idealização padronizada de beleza e esteticamente comercial. Programas básicas de acompanhamento abarque mais paciente que merecem estilo de sobrevida e motivação. Portanto sistema público, mais atenção.

O Brasil, não é considerado um País com sistema mundial de Saúde – S M S , relatório técnico sobre obesidade, mais de grupos de riscos, e aspectos considerais com potenciais entornos de progresso para construção evolutiva de ossos: Crianças em circunstâncias alimentar desequilibrada em : Calorias indicadas, variações e ofertas/presenças da desnaturalização de produtos e alimentos indiadas para crescimentos e metabolismo/processamento normal sem altos índices de compensações: Aspectos culturais, e com a preferência de paladar; Estima; Estímulos comerciais; Facilidades de manuseio e Acessos, e etc.

De preferência e indicação pela presença de estilos naturais/nutricionais indicados, onde continuam e aperfeiçoam seus cardápios: Produtos ofertados para venda, e ou alimentação assistida pelos programas de inserção ás escolas. Estes sem porções, com taxas/volumes/calorias normais: Gorduras, açúcares, e vitaminas – sais minerais, e etc. Políticas mundiais com discernimentos coesos de direção que merecem atenção e aditivos/mecanismos pelo sistema de saúde local e regional indicado bastante consideração e aplanamento futuro no próspero em atenção a saúde básica. Programas/políticas de orientação para reeducação alimentar para: Famílias, Escolas e Instituições/Empresas [Públicas – privadas], de indicativos e mecanismos de equilíbrios em alimentações: Teores nutricionais indicados com segurança.

A comercialização de publicidade – Fortes apelos e atração: delícias e golesemos, atraídas pelo olhar da suculências para o paladar, indivíduos extensivos psicologicamente para compensações e desejos a suprir, tornar uma “mina” para desregulação alimentar de seus planos para o metabolismo/nutricional em horários biológicos do corpo, em relação á instâncias evolutivas de crescimento do mesmo: Crianças/adolescentes/jovens, Adultos e idosos. A estratégia, tática comercial e publicitária, de formas oportunistas e atrativas, também tem sua parcela de contribuição negativa, e não construtiva, por não enveredarem pela equidade de pre – renovação alimentar para sustentabilidade – Corpo natureza. “Uma característica de publicidade e [Merchandising], é a situação de produtos com teores de açúcares e gorduras sem padronização normalizada e regulada correta, expostas aos apelos aspectivos em Serviços caixas, balcões etc.

Se faz, necessário também, todo um sistema de regulação/MAS – Organismos, para a industrialização de produtos sem conjuntos de padrões nutricionais e técnicos equilibrados ou transparentes em suas composições químicas,  potenciais de vitaminas e processadas por fabricação dos mesmos por tendências e mentalidade sem controles legais, que não seguem normas e nem o são fiscalizadas ou assistidas para reversão de suas políticas desregulardes em seus processos. O comércio é Livre – Mercado, mais com padronização e normalização reguladoras – Organismo interna-externo em suas normas nacionais e internacionais: Fabricação, industrialização, produção e comercialização de seus produtos/marcas. Adequação para saúde/indivíduos e comércio, e sua construção, pelas miragens [Corpo].

 CONCLUSÃO

Com entonação reflexiva, a uma realidade Contemporânea nestes referenciais construídos a percurso de conhecimento e trajeto para o “diálogo do corpo”, com alusão as determinadas temáticas, somente resultou para uma construção de pensamento, conscientes de que somos constituídos  de : Corpo, alma e espírito consideravelmente, pois um não sobrepõe os outros, e em harmonia natureza alusiva num [Todo] – Somos completude, em consideração: a) Arte e artefatos em consonância com informação [Signo] e linguagem de forma expressiva, e objeto na perspectiva da sexualidade do corpo e variantes conotativos: Culturais; Econômicos e seus contextos de imagem em instância da concepção – O belo para o artista e público; b) Arte e suas patologias Contemporânea, pela ascensão perceptiva da psicose apelativa por contornos estéticos de aberrações, expressão impositiva pela aceitação para a sociedade e instituições, num processo presente estado psicológico , e ainda a presença escapissimos de interesses patrimoniais  econômicos e culturais, e religiosos sem conteúdos éticos com percentagens de incentivos para projetos culturais e artísticos, para ultrajar virtuais e comportamentos descaracterizados de ideais para entronizar “ ditos comerciais”; como arte é livre? Expressão artística e presença de costumes, crenças e comportamentos culturais de inserção sociais necessários para penetração e reconhecimentos de uma expressão de arte. Se existem divergências e disparidades de interpretação as suas: Formas, contornos e imagens, às respostas de enfrentamento pela descaracterização de comportamentos, padrões e conceitos de idealização sociais; d) Arte e interpretação social pela entronização de assédio, vias da sexualização do corpo, não pela expressão e belo da arte, em relação a imagem do corpo. (Um potencial, que a cultura “machista” de uma sociedade tende por decrescer o nível de uma sexualidade em equilíbrio e respeito emocional – racional; ´e) Arte e sua plenitude  pela expressão, em sua  e rigor do Belo, em busca de suas superações e dons artísticos,  buscas pela atingíveis, a uma relação com superioridade suprema de Deus, em seus alcances pela alma e afirmação da personalidade de indivíduos e espírito [Transcendências de vida]. E continuando, a posição e visão Contemporânea do corpo; f) Modelo biomédico, na leitura de Heideggerina, numa trajetória de uma realidade: Atenção básica preventiva desconstruída e desarrimada ; Diagnósticos de doenças, em ativos mecanismos laborativas de exames, única alternativa da medicina especializada e clínica viável para diagnósticos de improváveis doenças – Altos custos, dispendiosos e de cunho imperativo do setor clínico privado, onde o paciente  e especialistas profissionais médicas, mantém relação de dependência econômica e técnica de seus resultados; Prognósticos e tratamentos terapêuticos, super refém da veracidade de seus exames, sistema privado e imposto pela marca de padronização comercial e não de serviço a dispor de uma saúde a construir, que ás vezes políticas de descaracterização de regulação, corroborando que ás vezes em sistemas de manutenção e sustentação da  doenças e não da cura; Tratamentos intensivos e suportes laborativas ausentes – Sistemas públicos caóticos desprovidos da manutenção de um padrão adequadamente normalizados regulados em seus: profissionais/setores especiais; Produtos médicos renováveis de saúde e aparelhagens tecnológicos idearias cientificam-te; Mecanismos e suportes de assistências laboratórios minimamente adequados; Sistema privados com uso de subsídios públicos em situações caóticas, que viabilizam exames: Autopsia e ou necropsias , também exames cadavéricos, além em outras esferas clínicas  exames de mapeamentos genéticos  DNA,  e   etc. Em custos altos, e imperativas pelos resultados positivos; g) O corpo e a relação da transexualidades em diálogos  em Heidegger, e percepção da era da tecnologias  e dinâmicas de processo / diagnósticos médicos para viabilização e apelos pela ótica de cirurgias corretivas das genitálias (Masc. Fem.),numa apologia ao Genitilismo e não a uma sexualidade integral do [SER] e desenhos, o corpo tratado como coisa – Objeto, diante de consideráveis  orientação para um conjunto comportamento psicológico, humano e social de inserção da sexualidade, não aceitação do próprio corpo pela homossexualidade e personalidades construídas ou desconstruídas, somente interpretação impositiva da Vivência sexual do genitalíssimos, e não pelo caráter e virtude da personalidade de uma integra sexualidade afirmativa em uma genética biológica evolutiva de corpo em paralelas e similaridades para um homem e ou mulher; i) O corpo como miragem e semelhança – O paralelo entre miragem e semelhança, que padrões beleza pela conotação de comercialização e idealização publicitárias  de inserção de mecanismos de mudanças e transformações de comportamentos. A relação de uma ótica entre padrões médicos/nutricionais educativos em equilibrados: Massa corpórea x peso/altura científico indicado, em equivalência. A concentração de apelos correções estéticas, de uma comercialização da matéria coisa [Corpo]. A construção de uma miragem idealizada de para aceitação de si mesmo, e outros socialmente inseridos – Padronização, e não na construção educativa por uma equitativa do pensamento de corpo/Saúde/Nutrição – Alimentação adequadamente construídos. E que as correções médicas/saúde, alcancem situações e indicações consideráveis de correções desnecessitáveis normalmente, para aplicações técnicas de equilíbrios. A arte, a imagem e a sua linguagem representada com informação e conhecimento conservem sempre em todas as áreas do conhecimento, principalmente á arte estética médica, que aborda o corpo como objeto de miragem de idealização da construção da personalidade da Alma, e transcendência de aceitação no Espírito. Um apelativo para afirmação da sexualidade totalidade integral com um sistêmico com seres vivos e cadeia em evolução da Terra [Comunidade natural], expressão desconstruída de uma construção filosófica comercializado do Belo – Imagem, pela ótica do material e não pela semelhança com o outro, consigo, em criação de um Deus – o homem Divinizado.

REFERENCIA

  1. Miranda, D., (2018). Nas trilhas da criação: Reflexões sobre o corpo, autoria e discurso. UEFS, Feira de Santana, [Palestra].
  2. Nascimento, C. P., (2018). Arte degenerada – ascetismo idealizado do corpo na censura ás manifestações artístico. UEFS/UFMG, Feira de Santana. [Palestra].
  3. , (2018). A presença do corpo na história da arte. UEFS/UFMG, Feira de Santana. [Minicurso].
  4. Lessa, K. de., (2018). Nas trilhas da criação: Reflexões sobre o corpo, autoria e discurso. UEFS, Feira de Santana, [Palestra].
  5. Ornelas, R., (2018). A recusa do espírito sem corpo: Sobre apropriação e hierarquia. UEFS/ UFBA, Feira de Santana, [Palestra].
  6. Santana, M., (2018). O corpo como miragem e semelhança. UFRB, Feira de Santana, [Palestra].
  7. Vasconcelos, C., (2018). Almeja estabelecer um espaço de discussão filosófica sobe o tema do corpo e das corporeidades, em diálogo com a arte, a psicanálise, a medicina e psicologia, UFFS, Feira de Santana. [Palestra]
  8. , O modelo biomédico e o conceito de corpo: uma leitura Heideggerina, UEFS, Feira de Santana. In. I encontro sobre o Diálogo do corpo – UEFS . Feira de Santana, 2018. [Palestra]

[Ensaio :Diálogo do corpo – Perspectivas: A presença do corpo na história da arte – Visão Charliston Pablo do Nascimento.” Novas percepções com sem tecnologias inovadoras”. Jusenildes dos Santos, University Europeia Atlantic – Ibero Tecnologia da ciência e tecnologia, Teologia e política – FCP, 2018].

A comunidade de amor: Ante a idolatria e as consequências do Culto de ídolos “Aspirai aos dons mais altos, (I CO, 13,1)”

Louvores ao Senhor, pois a noite para dia, se luz! Estamos na graça e dom da vida. O mistério da ressurreição de Jesus, e profética da vida eterna para todos, para ao magistério da Igreja, tem e busca nas primícias de todos os tempos e hoje, exortam nos para ao seguimos Jesus entronizados no Evangelho, e Plano de Salvação – Reino de Deus, de forma na caminhada de fé, ajuda – nos a galgar os passos do Senhor e PF do Cristianismo, como crentes, dignificar em nós e avivando o Amor de Cristo, aderindo ao Senhorio, de evangelho (Vida e Boa Nova), mais consciente e testemunho e segurança com vigor em cada tempo para Santidade[ Renuncia fragilidades humanas perante a conversão diante das tentações; Seduções e inclinações, E E, pf.].

Irmãos(as), fiquemos atentos, pois a nossa Cultura católicas diante de Cristãos e não, permeiam e podemos estar comungando e vida e práticas de e x – comunhão ao corpo místico de Cristo, e consideramos normal, pois não colocamos nossos dons espirituais diante dos discernimentos: Bem e mal. Sabemos os furtos da fé entre as controvérsias de princípios religiosos de credos e espiritualidade de vida. A entronização de filosofias com cunho e práticas antigas pagã, que estão permeando para a idolatria de pessoas de poder político, ante a dever de gestão aos poderes públicos, para caminhos éticos a servir público pelo dom pessoal a serviço.

A idolatria é ao endeusamento de pessoas na humanidade de Cristo, mais não Deus. Uma gestão, pelo dom e missão em missão em um poder público, que são Homologados e Ortogados por um determinado tempo, pelo poder democrático Brasil Constituição vigente pelo voto cidadão, para os representantes a serem eleito(as), ou escolhido e indicados conforme regras e normas. Podemos e devemos analisar e avaliar os pros e contras, portanto recolher os dons aperfeiçoados e específicos que todos temos cada um, e especial a cada um batizado ou não – Dom divino. Não somos absolutos, mais criaturas dotadas de fragilidades humanas a caminho da perfeição.

Precisamos estamos conscientes de que o nosso Sistema constituído Democrático, emana pelos poderes do povo cidadãos libérrimo as escolhas de nossos representantes legais, e diante de atuação do dever e direitos de: Poderes – Executivo; Legislativo e Judiciário.

A comunidade de Jesus, e o Senhor, e A Boa Nova , nunca negava ante presença de toda hierárquica constituída política da sociedade, em tempos de “…anúncio da vinda do Reino acarreta uma conduta humana que em Mateus se exprime sobretudo pela busca da justiça e pela obediência à Lei, e a vontade de Deus, mais que o dom Divino do perdão que ela significa, em São Paulo…(BJ, Evg,.p.1690). ”

Por que somos e podemos sermos idolatras? Neste caminho, de espiritualidade e leigo missionário e religião, a sociedade comunitária, imanada pela fé, pela concepção e ação de admiração exacerbada e exagerada da prática do hedonismo, onde criamos contornos de endeusamento – Perfeição ante a pessoas por idolatria tendo por ídolos que semeados, funde-se nos corações enquanto homens e mulheres. Portanto os contornos dos eixos de imagens de laboro em prática livre de conversão e espiritualidade e fé, para cristãos(a), desviamos do Criador – Deus, para a criaturas (Filhos(a), nos posts de idolatria ante artificies de criatura, aos carismas divinas: Dons; exemplos e atitudes de caridades. Mas em tempos Contemporâneos, os ídolos do mundo: Tecnologia digital; arte do artista; as peças culturais perfeitos trabalhados, com esmero; a política de gestão e os dons de servir ao público instituído de missão em missão, se chefe ou não. Com os cuidados de zelo, não podemos confundir e fazer ou criar confusão pela práticas de concepções pagã em conceitos de filosofias Não – cristã, por se por disseminação e difusão em contornos tipo, [Fack News] de redes sociais (Difusão de mentiras compartilhadas), para intuitos de criar repercussão, não – divinas e os discernimentos mundanos, os desígnios de pura idolatria, em pessoas.

O caminho de perfeição, Jesus em vida pública: A revelação para todos, veja para todos. A ressurreição Volta de Cristo Triunfante – Paresia será para vivos e mortos, a vitória da vida. Triunfo glorificado de Jesus. A conversão de todos, diante de contornos controversos ao Evangelho (Boa Nova). Enquanto cristãos (a) em trilha de Santidade e Não – Cristã, muitos de nossos pecados, adentram a idolatria, a Deus. E não aos dotes virtudes dos dons divinos. Atitudes e práticas da pequenez humana, nos faz pecadores, não nos apresentam Deus, mais a criatura no altar de Deus.

A alegria da ressurreição, são caminhos para perfeição. “A volta do Filho do homem”. Os testemunhos de nossa Senhora Maria, em todos os tempos sempre presente e nunca distante. A mulher sempre fez parte deste projeto divino de Salvação, pois dela nasce a vida.

A consequência do culto aos ídolos, (Sb 14,20): “…perseguição dos justos, esquecimento dar gratidão, impureza das almas, inversão sexual! Desordem no casamento, adultério e despudor…!” Somos criados para a perfeição enquanto filhos(a) de Deus, para coisas de alto e divinas e dignas em nossas vidas. Essa é alegria da Renovada vida em Jesus Vivo. A plenitude do amor. Portanto não criados para idolatria em si e entornos enquanto irmãos(a).

A saída do povo Hebreu, para Terra prometida, profética em Moisés, diante das revelações do Pai, para o profeta, pela intimidade que O mesmo tinha, com o Senhor, nem todos tinham. A demoras de Deus, e tempos de encontros com o profeta eram particulares e de deserto. Isto, seu povo, em afluências para depois distribuídas por 12 Tribos de Judá, em pessoas designadas e escolhidas para direcionarem de êxodo, para impedir maiores perigos no Deserto (Cada tribo um escolhido, e missão diferente).

E em geração de frutos da carne e não divinos, foram plantados nas aldeias ainda em Moisés e seu Deserto: Inveja; ciúme; contendas; adultérios; dúvidas; morte e violências; confusão; mentiras; brigas; e negação de fé. E a idolatria, a pessoa de Deus, as esperas da profecia em Moisés. Os frutos não foram muitos prósperos, mais destruidores. O culto, a imagens, tomou o lugar de Deus, a profecia e humanidade divina, chorou… pois diante dos milagres vividos o povo hebreu esqueceu: O maná no deserto à fome; A água manada desértica a sede, às curas e moléstias; vitorias e batalhas e exército sem armas dos Judeus.

Segundo diversas Exegeses Contemporâneas – Estudos hebraicos, aramaicos e gregos, para A.T., de textos seguidos massoréticos, ou seja, nos mesmos contextos hebraicos de documentos Ero grifos e rolos papiros e outros de uma gênese documental, entre VIII e IX d.C. A prática da construção e culto a imagem, no lugar de Deus e Deuses, provinda da cultura Egípcia na vida de escravidão dos Judeus, adentrando em espaços abertos pessoais e comportamentos das pessoas e Nação, querendo enraíza-se a nossa Cultura Ocidental, no Brasil, em tempos da política aberta, que significativamente pretendem exterminar a cultura que caracteriza-se principalmente: Na negação na fé em Deus e as virtudes da religião de Cristãos Católicos Apostólicos Romanos; Princípios éticos morais; As virtudes e reconhecimentos, e respeito a sua ordem política, social e econômica constituída e seus poderes exercidos.

História revista, encontrou o povo de Deus, processo de espera – Tábuas e mandamentos da lei de Deus” revelados a Moisés para colocar ordem e orientações para seu povo escolhidos (Pelos afastamentos e falta fé e práticas errôneas), em meios as situações de encaminhamentos futuros, em êxodo. E buscas pseuda de afirmação da fé de uns poucos, apressam -se , e veredas urgências dos falsos profetas á incutir nas fragilidades e pouca fé no povo, em Deus, ganham adesão e o povo a figura e imagem do primogênito Boi como perfectos de adornos minério Ouro[A imagem em altar do boi, na cultura Egípcia, traziam aspecto religioso e no sentido econômico muita prosperidade] e passam para prática idolatria: Pronta – se ; reverenciam, culto e fé; colocam e fazem oferendas, em lugar de Deus.

Voltemos irmãos(ã) ao primeiro amor. Essas infinitudes e mentiras, não nos apresentam o perfeito, mais o imperfeito humano, frágeis. O humanismo, pelo humanismo e negação de um Deus divino, não encontra introjetadas e morada em nossa cultura. O que é cultura? O simples contexto conceitual, significa tudo que nasce no meio do povo: língua, artes, alimentação, o conhecimento e seus inusitados fatores em destaques.

As nossas orações e discernimentos ao projetar nos em buscas por caminhos totalmente diferentes e errôneos que trazem comportamentos e atitudes em práticas a versas a nossa cultura. Não nos enganemos, o que geram paz e outras fontes de violências não são raízes divinas, que geram e proliferam violências e maldades, características de vidas sem Deus, sem amor que não Une enquanto próximos filhos(as) de Deus. Não separa…A morte separa, mais Jesus apresentou, o retorno de ressurreição de todos – Reino dos Céus, a então Vida Eterna. “Se crês verás a glória de Deus”. Quem disse que aquele, que perdemos, ou já estais dormindo, ou no purgatório, ou “Eu ou Você”, não verás a ressurreição? (Jo, 5, 21). Todos somos convidados, e abraçando a fé, seremos instruídos por Jesus e em nome do Senhor, todos somos dignos ouvintes, ouvidos e atentos as revelações da palavra, a uns concepção rejeição e por indignos, mais para todos:” … luz das nações…portador de Salvação… (A.T. 13,48)”.

E se estivemos com 300 anos, quando acordamos da morte a temporárias cronológicos, em Vida eterna. E minha Genealogia estiver na 1ª. ou 8ª. Geração vivos. Todos ressuscitados. A perfeição se faz vida plena e plenitude!

Milagres divinos, hoje existem muitos e a todo instante, em nossas vidas e de outrem, mais pouco é difundido e praticado. Não esquecemos fomos criados para Vida, e para morte. A herança da morte, foi profetizada em Cristo – Vida plena, e caminho em retorno ao primeiro amor.

Que “Nossa Senhora Maria”, apresente – Nos, em intimidade de oração e intercessão, com o Senhor, esta contemplação de Vida eterna! Não fazemos estes sonhos de espiritualidade…e como deverá ser? E como será? Mas começa aqui, o Reino dos Céus, com certeza. Pois aqui, assim, O Senhor nem trilhou estes provérbios práticos, mais sabia e conhecia, apenas pouco tempo teve, revelando – Os… e depois o anúncio dos princípios fundamentais de Cristo (Discípulos e apóstolos e seguidores), com nossa Senhora. Queremos caminhar a eternidade, mais não queremos ser testemunhos em Jesus, que é amor. Outros deuses, em seu lugar…infelizmente são enganadores buscando abrigo e onde esconde-se, anjos entristecidos e amarrados. Fiquemos atentos…E olhos abertos…O evangelho com Espírito Santo semeiam Paz…E outros sem Deus, simplesmente, tentam desfazer, as obras do Senhor e ganhar seu lugar em nossas vidas, pois somente quer o lugar de Deus, nas raízes plantadas e semeadas. Deixa Joio (Planta daninha), semeados, ao amor…. somente inveja, ciúmes e escuridão. Se estivessem em Jesus, seriam amor submissos e tementes, e não querendo primeiro lugar e altar em seu coração e vida.

Jesus e o Pai são Um. Foi glorificado para Glória de Deus…Venceu os martírios do corpo e chagas abertas, a morte, e por então, ressurgiu, triunfando ressurreição, e ascendeu aos céus!

Ave cheia de graças…

[Colóquio: A comunidade de amor: Ante a idolatria e a consequências do culto de ídolos – “Aspirai aos dons mais altos”. Jusenildes dos Santos. Tecnologia da Ciência e Informação. University Europeia Atlantic – Ibero. Docência CTGC – ufsc. Teologia e política – FCP. 06.07.2019]