A família servos no Amor- Ceia divinissima em graças : Abertos em Cristo


Em tempos de guarda, penitentes simplesmente avisamos, essa em preparação para a festa- celebração da ceia em Páscoa, Jesus nova aliança onde em banquete e rituais em que os primeiros cristãos, ao tomarem o corpo e sangue do Senhor começaram a última ceia com Cristo.


Podemos contemplar dois momentos distintos históricos proféticos, vivos enraizados em planos divinos:


a)Profético de Moisés – Planos de salvação do povo Hebreus – Isaelitas do povo idólatra egípcio do império eslavo de cativos;
b)Profético de Reino salvifico,[ O Jesus libertador; O messias, Deus conosco].


Funde – se festa do pão Ázimos sem fermento, preparação para Páscoa. A história apresenta o Deus profético em revelação de Moisés para a celebração em ceia, e passagem da saúde- Êxodo do povo Hebreus, libertação, acontece orientação de símbolos e guia de rituais profundas:


a)Período de preparação pão Ázimos( Sem fermento), preparando por ideias da comida consagrada no tempo e dias de consumo em famílias;
b) Período penitentes, sem dedicação de trabalho;
c) Sacrifícios de animais com distinção em si para o consumo;
d) Períodos em tempos de guarda, preparação para dias, festas, semanas;
e)O local da Páscoa, os convidados além da família para consumir os alentos;
f) Concepção de basquete sagrado – Santa (Deus e seus filhos entorno sagrada).


O plano salvifico da boa nova, sua instituição fundada dos Cristãos também no tempo Paschoal perpetuando por gerações, e que Jesus provindos e vivendo neste prelúdio com Judeus.

Segue os rituais revelações do Pai – Páscoa e Nova Aliança.


A CEIA


A ceia primeiro dia dos Ázimos sem fermento(07 dias de preparação dos pães rituais) para celebração da Páscoa, Jesus instrui orientações proféticas para a Páscoa:


a) Local e despedida com discípulos, cidade disciplinar escolhido;
b) Além de rituais do povo Judeus culturalmente herdado,(ICO 11, 24- 26).
Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue e corpo dado em graças entregue, povos, em memória de mim. O sangue da nova aliança- A 1ª Deus e o povo selada pelo sangue das vítimas oferecidas em sacrifícios. A nova é feita pelo sangue de Cristo, vítima oferecida em sacrifícios pelo gênero humano.
O banquete – A ceia celebração de renovação – A Páscoa. Jesus celebra a ceia com os discípulos preparada pelos mesmos e faz a revelação:


a) A traição por um dos discípulos (Escolhidos);
b) A indignação de todos em não acreditar;
c) Auto reflexão de palavras e atos diante da ceia e Jesus neste;
d) Jesus instrui o que irá acontecer, pois revelado ao Pai( Passos a passos);
e) Jesus celebra ao banquete sagra o sacrifício (Corpo e sangue), e redenção em graças;
f) Oferta o corpo e sangue no banquete comei e beber (Todos participam solenemente e sagrados.


Nova Aliança – Remissão dos pecados de muitos homens, e não todos.


A Páscoa – Festa solene também era momento de reconhecimento anterior de penitência ( Jugo do pecado) libertação de toda humanidade, espiritualmente Tementes a Deus.


g) Jesus prédio profeticamente que humanamente não estará em banquete e ceia,( bebendo do fruto a vinha); mais beberá de novo conosco no Reino de meu pai;
h) Prédios a negação de Pedro com analogia com a cultura e o tempo, para ele lembrar de fragilidades humanas;
i) No Getsemani(Lugar reservado) do povo hebraico com toda comunidade de discípulos;
j) Em minutos de vigilâncias, orações e súplicas: Prepara a alma com Deus e Jesus;
k) Jesus não fica sozinho (Os dois próximos estavam com ele nos momentos de angústia intensa. A comunidade participa;
l) Reconhece frágil e instrui vigília e oração com Ele. Afasta- se para intimidade com Deus…
m) Retorna e os vigilantes dormiram. Ele reconhece que a carne é fraca, mais o espírito forte…Por isso precisa vigiar para fortalecer;
n) Por 03(Três) vezes instrui e pede auxílio enquanto comunidade e as vezes não encontra apoio diante de despreparo dos discípulos, na vigília, são descaídos pelo cansaço da carne, e cai no Sono, principalmente Pedro;
o) Retorna consciente que o cálice e D’ lê mesmo e não da comunidade;
p) Instrui para repouso para dormir e liberta – Os da penitência de comunidade(Três e Ele);
q) Instrui para retorno para fazer cumprir a vontade dos pecados – O filho do homem…


Aos tempos de penitência buscam e retorno para o encontro de graças- A páscoa que celebramos em família, e comunidade, diretamente assumimos dos trilhos e leis do mundo, materializado de nosso Deus ao tornamos do visível, do que adora – Lo em Espírito, um Deus invisível.


“ Porque sem limites e a sua misericórdia para conosco, e eterna a fidelidade do Senhor, (Sl116, 2). “
Esse momento histórico de espiritualidade e religioso do povo cristão, como sinal visível, pacto em Deus e o povo. “ Tábuas da Lei à Moisés “. Guardada da aliança…Futura promessa com o povo dos mandamentos proféticos. Diante da condenação do povo hebreu idólatra do Deus invisível para ídolos construídos como força e de uma força – Símbolo de sua fecundidade e força.


Esse Deus idolatra da cultura egípcia imperador e seu povo opressor e escravagista. A justiça de Deus libertador ao libertar o povo hebreu.
O Deus idólatra é passagem da saída do povo (Êxodo), e com a Páscoa, em rituais.


A ceia e celebração da palavra e Nova Aliança


Jesus faz o ritual e ou ritos instituídos de servo, sendo Mestre e Senhor, enviado do Senhor na humidade com os seus discípulos, os escolhidos para continuar o caminho da Igreja, lavar os pés de todos os 12 apóstolos, para Glória de Deus. Exemplo instruído e enviado para perpétua contínua em uns dos outros.


Jesus conhecia a todos, diante de homens preparados por Ele para fundamentos em princípios da Igreja, e suas fragilidades, e indicações diante de tais responsabilidades na comunidade:

Judas Iscariotes no ser parte em corpo místico comunitário em Cristo, Senhor pleno exercícios de missionário na comunidade em sua liderança apostólica, é e faz se traidor, perante: Tentações; Inclinações; Seduções em defeito descaidos da carne, práticas de pecador, e a não exercício de amor e servo.

Uma digna missão seguir Jesus, e missão de ser também extensivo no poder de parte do corpo, sendo administrador de bens e toda providência financeira e finanças, decai com a lança dos anjos clementes e cegos de invejas e ciúmes (Demônios buscando abrigo nas fragilidades humanas), encontra espaços em meios comportamentais:

Insegurança;

Desamor ;

Egoísmos;

Afastado da aliança das práticas de ato de fé na comunidade;

Dúvidas;

Invejas;

Incredulidades, e etc.

Foi fiel ao tentador, em plena fraqueza, e infelizmente as práticas de vida cristã e harmonia nos ensinos e honra em selos de amor de Cristo e irmãos [Amor esponsal e pertença na comunidade, e ministério apostólico, servir e amar, a base de cristão que Jesus instituíra e exercitava com todos, e discípulos seguidores. Criou se a desarmonia na comunidade e Plano divino, pela prática dos escolhidos na vida pública de anúncio. Ficou a dimensão divina da Salvação o sacrifício já esperado de Jesus, sem o desenho plenamente da humanidade de Jesus, sem a completa comunidades, mais desenterrar a e fragilidades perante apegos, em brechas do mal, encontrando o refúgio carnal no coração de Judas Iscariotes, e desencontros em outros(Pedro).


A exortação segundo Papa (Francisco, G.ext, pp. 111, 2017), apresenta – se para prestamos atenção e ficamos atentos vigilantes, conscientes sempre, diante: Católicos cristãos, onde os riscos e limites encaminhe – nos, para não afastamos de Deus, inseridos na cultura Contemporânea.


A campanha da fraternidade CF 2019 – Políticas públicas: Libertados pelo direito abordou evangelizando e conscientizando Cristãos e Não – cristãos, a toda sociedade em 2019. Principalmente as conexões políticas de incursão e despolitização em direitos violados e ou de acessos, além de instituídos orgânicos e corporações e organizações governamentais e não em seus corpos organograma organizadas de hierárquicas de direito de PP em aspectos: Políticos e sócio econômicas, e etc., com base em carta magna constitucional 1988.


Graça sob graça…


“ Reconheceram – no ao partir o pão.( Lc24, 13.)”


[Colóquio: Santos, Jusenildes dos., (2020). A família servos no Amor: Ceia diviníssima em graças. University Européia Atlantic- Es. Iberoamericana – Br. Teologia e política – FCP. Docência prática, Aracaju, 2020].

Publicado por

jusenildes

Pesquisadora Ciência da Informação - TIC digital Aprendizagem e conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s